GNR da Guarda inicia em julho programa de teleassistência a pessoas vulneráveis

A GNR prevê iniciar no próximo mês de julho um programa de teleassistência para apoio a idosos e a pessoas vulneráveis que vivem sós e isoladas em 10 dos 14 concelhos do distrito da Guarda.

O projeto denominado ‘eGuard’ resultou da assinatura de um protocolo, em junho de 2017, entre o Comando Territorial da GNR da Guarda e os municípios de Guarda, Celorico da Beira, Sabugal, Pinhel, Trancoso, Mêda, Vila Nova de Foz Côa, Almeida, Figueira de Castelo Rodrigo e Aguiar da Beira.

Segundo o major João Marques, chefe da secção de operações de treino e relações públicas do Comando Territorial da GNR da Guarda, o projeto de teleassistência a pessoas especialmente vulneráveis deverá estar “em pleno funcionamento”, no início do mês de julho, com cerca de 200 utentes.

“Estamos neste momento a desenvolver a última fase do projeto, que tem a ver com algumas ações de formação, não só [dirigidas] aos técnicos das Câmaras [Municipais] mas também aos militares da Guarda que irão operar no portal de monitorização”, explicou à agência Lusa.

De acordo com o responsável, que apresentou o ‘eGuard’ numa sessão realizada na terça-feira à noite, no café concerto do Teatro Municipal da Guarda, o programa surgiu para proporcionar uma maior inclusão, minimizar o isolamento dos idosos e das pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade e também para “contribuir para um maior garante de segurança desta margem da população tão vulnerável”.

O utente fica na posse de um equipamento, que pode usar ao pescoço, e que, entre outras funções, possui um botão para ser acionado em caso de emergência (botão SOS), permite comunicar de forma bidirecional, permite definir um perímetro de segurança e alerta em caso de imobilidade.

O sistema de teleassistência é monitorizado em permanência através de um portal que está acessível na Sala de Situação do Comando Territorial da GNR da Guarda e nos dispositivos móveis das patrulhas que estão no terreno.

Na sessão, o coronel Cunha Rasteiro, comandante do Comando Territorial da GNR da Guarda, disse que o projeto ‘eGuard’ arranca com o envolvimento daquela instituição e de 10 autarquias da região, mas “a qualquer momento podem ser incluídas outras parcerias”, como por exemplo a Unidade Local de Saúde ou os serviços distritais da Segurança Social.

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, referiu que no concelho estão identificados 80 idosos para este programa, a quem se pretende “dar mais qualidade de vida e mais bem-estar”.

Segundo o autarca, o município assumirá o custo de dez euros mensais com cada um dos dispositivos que irá atribuir aos utilizadores do sistema ‘eGuard’, tal como acontece com os restantes municípios envolvidos.

No caso do concelho de Pinhel, a vice-presidente da autarquia, Daniela Capelo, indicou que estão “sinalizados 13 idosos” para o programa de teleassistência.

O projeto envolve ainda, além da GNR e das Câmaras Municipais, a ADSI – Agência para o Desenvolvimento da Sociedade de Informação e do Conhecimento, com sede na Guarda, que “promove o desenvolvimento da região utilizando as tecnologias da informação e do conhecimento”, segundo o seu presidente José Gomes.




Conteúdo Recomendado