Associação Geopark Estrela cria Rede de Ciência e Educação para a Sustentabilidade

A Associação Geopark Estrela, com sede na cidade da Guarda, criou uma Rede de Ciência e Educação para a Sustentabilidade (RCES) para estimular a investigação e o conhecimento científico do território, foi hoje anunciado.

Segundo o coordenador executivo da associação, Emanuel de Castro, o projeto pretende “permitir que a Ciência, ou a investigação, ou aquilo que se produz de científico, saia dos muros das Universidades e dos Institutos Politécnicos e se aproxime daquilo que verdadeiramente interessa às pessoas”.

“Não estamos a dizer que a Ciência produzida nas Universidades não deve continuar num plano mais teórico, muitas vezes, mas tem de haver também esta capacidade de ir ao encontro das necessidades. Seja a problemática dos incêndios, seja a questão dos recursos hídricos, seja a questão das alterações climáticas”, justificou.

Em declarações à agência Lusa, o responsável sublinhou a importância que a RCES terá “na ajuda ou na capacitação das escolas do território e não só, de poderem, em função dos seus currículos, também gerar novos conhecimentos e melhorar o processo de aprendizagem, entre aquilo que é dado numa educação mais formal nas escolas e aquilo que é o conhecimento que investigadores, que pessoas que estão trabalhar no território, possam ter, e possam contribuir para o crescimento dos alunos”.

“É pensar nesta montanha e nesta Serra da Estrela como, de facto, uma montanha de conhecimento, mas também uma montanha que é um laboratório vivo, capaz de, em diferentes áreas, na ecologia, nas alterações climáticas, na sociedade, na demografia, na própria geografia, na geologia, encontrarmos aqui elementos onde a Ciência pode dar resposta efetiva e pode dar respostas a perguntas simples como, por exemplo, o que é que vai acontecer à identidade dos territórios com as alterações climáticas?”, enfatizou.

Emanuel de Castro adiantou que, “nos próximos meses”, a rede está no terreno a funcionar com investigadores responsáveis, com núcleos, com projetos e com iniciativas.

De acordo com o coordenador executivo da Associação Geopark Estrela, a RCES terá cinco núcleos de Ciência e Educação: Território, Clima e Alterações Climáticas (que vai funcionar em Manteigas), Território, Recursos Hídricos, Subterrâneos e Geotérmicos (Covilhã), Território, Biodiversidade e Ecologia de Montanha (Seia), Território, Turismo e Sustentabilidade (Celorico da Beira) e Território, Geoparques, Geodiversidade e Geoconservação (Guarda).

A Associação Geopark Estrela entregou em novembro de 2017 a candidatura da Serra da Estrela a Geopark Mundial da UNESCO.

Os trabalhos da candidatura começaram em 2014. Em 2015, foi assinado o memorando de entendimento com os nove municípios abrangidos (Gouveia, Manteigas, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Guarda, Seia, Oliveira do Hospital, Covilhã e Belmonte) e, no ano seguinte, foi criada a Associação Geopark Estrela.

A avaliação está na reta final e, segundo Emanuel de Castro, até setembro, será tornado público o resultado final da candidatura.




Conteúdo Recomendado