Covilhanense cria pavimento inovador que reduz velocidade automóvel

O Pavnext é um pavimento tecnológico, à base de borracha, com soluções de segurança rodoviária, geração de energia e eficiência energética.

A startup Pavnext, criada pelo covilhanense Francisco Duarte, está a desenvolver um pavimento que reduz a velocidade dos veículos ao captar a sua energia cinética, sem ação dos condutores. A solução inovadora de segurança rodoviária foi a vencedora do Prémio Arrisca C – Plano de Negócio, que já tem outra vez inscrições abertas.

O pavimento proposto pela Pavnext é uma solução pioneira na área da segurança rodoviária, ao permitir a redução da velocidade de circulação automóvel de 50 km/h para 30 km/h em zonas urbanas, sem qualquer ação por parte dos condutores. Tal é possível através de uma tecnologia que capta a energia cinética dos veículos, transformando-a em eletricidade para iluminação dos próprios locais onde se pretende promover a segurança rodoviária e o abrandamento da velocidade, como na aproximação a passadeiras e junto de escolas, hospitais e zonas residenciais.

“A solução é inovadora por promover uma maior segurança rodoviária de forma autónoma. É totalmente independente da ação dos condutores, ao contrário das lombas ou dos semáforos. A probabilidade de uma fatalidade num atropelamento a 50 km/h é superior a 50%, mas esta é reduzida para menos de 10% se o veículo circular a 30 km/h. Se tivermos em conta o mercado-alvo de municípios europeus com mais de 150 mil habitantes, estimamos que se possam salvar cerca de 20 mil vidas e 1 milhão de feridos graves por ano”, explica Francisco Duarte, percursor do projeto, engenheiro eletromecânico e doutorado em Sistemas de Transportes pela Universidade de Coimbra.

O produto proposto pela Pavnext tem uma superfície feita de borracha de pneu reciclado e incorpora uma tecnologia que permite absorver a energia cinética captada na superfície, convertendo-a em energia elétrica sem emissões associadas. Adicionalmente, dispõe de um sensor que monitoriza os dados de tráfego e de energia, fornecendo-os diretamente à entidade gestora da infraestrutura (por exemplo, os municípios) e permitindo otimizar o consumo energético do local e tornar a cidade mais eficiente.

As candidaturas à 10.ª edição do Arrisca C, um dos mais ambiciosos programas na área do empreendedorismo e inovação a nível nacional, já estão a decorrer e terminam dia 4 de novembro.

Para mais informações, aqui




Conteúdo Recomendado