Candidatura do Geopark Estrela entregue na UNESCO

Serra da Estrela

A Associação Geopark Estrela, com sede na cidade da Guarda, entregou hoje a candidatura da Serra da Estrela a Geopark Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

“Foi entregue, esta quinta-feira, a candidatura da Estrela à Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, no âmbito do programa Geoparks Mundiais da UNESCO”, disse à agência Lusa Emanuel de Castro, coordenador executivo da associação.

Segundo o responsável, a entrega do processo representa “um enorme passo para consolidação da [Serra da] Estrela como um espaço de ciência, educação e cultura, tendo como principal objetivo o desenvolvimento sustentável das comunidades, assente nos pilares da geoconservação, da educação e do turismo”.

“A partir daqui será mais de um ano de avaliação até a UNESCO se pronunciar sobre esta candidatura, que se espera que possa ser aprovada até ao início de 2019”, refere Emanuel de Castro.

O coordenador executivo da associação sublinha, em nota hoje enviada à Lusa, que a candidatura da Serra da Estrela a Geopark Mundial da UNESCO “é o culminar de quase quatro anos de trabalho e congrega nove municípios – Belmonte, Celorico da Beira, Covilhã, Fornos de Algodres, Gouveia, Guarda, Manteigas, Oliveira do Hospital e Seia – e duas instituições de ensino superior – Instituto Politécnico da Guarda e Universidade da Beira Interior [Covilhã]”.

Os trabalhos da candidatura começaram em 2014. Em 2015, foi assinado o memorando de entendimento com os municípios e, no ano seguinte, foi criada a Associação Geopark Estrela, que tem sede na Guarda, nas instalações do Instituto Politécnico local.

O território que é candidato a Geopark Estrela tem 2.216 quilómetros quadrados de área e 170 mil habitantes.

Para Emanuel de Castro, a candidatura a Geopark é o “grande projeto estratégico” para a Serra da Estrela no século XXI, por ser “transversal e trabalhado com nove municípios”, e por constituir “uma estratégia de desenvolvimento sustentável com base nos recursos e no potencial” do território.

Segundo o coordenador executivo da associação, trata-se de um projeto importante, “porque finalmente a Serra da Estrela passa a ter uma marca internacional e uma classificação internacional, validada cientificamente pelo reconhecimento da UNESCO, semelhante às classificações do património da humanidade ou das reservas da biosfera”.

Com a classificação da UNESCO, a Serra da Estrela passará a integrar uma rede da qual fazem parte 127 geoparques mundiais de 34 países.



Conteúdo Recomendado