Sindicatos querem que tribunais decidam a favor do não encerramento de escolas

A União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB) anunciou esta segunda-feira ser “muito importante” que nesta fase os tribunais decidam favoravelmente a pretensão das autarquias que intentam providências cautelares para impedir o encerramento das escolas.

“Sem nos querermos imiscuir nem exercer pressões sobre o poder judicial, é muito importante que os tribunais decidam favoravelmente a pretensão das juntas de freguesia e câmaras municipais que intentam providências cautelares para impedir o encerramento das escolas”, referiu o coordenador da USCB. Luís Garra sublinhou que o Governo “irá reclamar o interesse público”, mas acrescentou que o interesse público “não é o do Governo, é o das pessoas”. “O interesse do Governo pode ser economicista, mas não é mais do que isso”, adiantou. O coordenador da USCB falava em Castelo Branco, numa conferência de imprensa que juntou ainda elementos do Sindicatos dos Professores da Região Centro (SPRC) e do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas do Sul e Região Autónomas (STFPRA), para dar conta das ações desenvolvidas contra o encerramento de escolas no distrito. O sindicalista referiu também que o abaixo-assinado lançado pela USCB contra o encerramento das escolas no distrito de Castelo Branco “já ultrapassou as 2.000 assinaturas” e será posteriormente entregue aos diversos grupos parlamentares e ao Ministério da Educação e da Ciência (MEC). “Gerou-se aqui um movimento de solidariedade com o objetivo de dar suporte e ajudar as populações e as autarquias na luta contra o encerramento de escolas. O movimento sindical procurou dar o seu contributo”, disse. Na quinta-feira, pelas 11 horas, decorre junto do MEC uma ação que envolve as autarquias e os sindicatos contra o encerramento das escolas e Luís Garra deixou um apelo para que as “autarquias do distrito se envolvam e integrem esta ação” junto da tutela. Marta Amoroso, do SPRC, explicou que na reunião que o sindicato efetuou no dia 11 de julho com o MEC, “Nuno Crato disse que dificilmente voltará atrás” na decisão, exceto em casos muito particulares. No distrito de Castelo Branco existem sete escolas que devem encerrar. Nesta situação, estão a EB1 de Colmeal da Torre, EB1 de Carvalhal Formoso (Belmonte), EB1 da Erada (Covilhã), EB1 de Enxames (Fundão), EB1 de Relva (Idanha-a-Nova) e EB1 de Aldeia do Bispo e Aldeia de João Pires (Penamacor).

 

 



Conteúdo Recomendado