PJ deteve incendiário em Castelo Branco e investiga os fogos maiores

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou ontem, dia 21 de julho, a detenção de um homem, de 55 anos, suspeito de atear, no sábado, um fogo nas imediações da cidade de Castelo Branco.

Em comunicado, a PJ explica que, com a colaboração da Guarda Nacional República (GNR) de Castelo Branco, deteve o “incendiário pela presumível prática de um crime de incêndio florestal” ocorrido no sábado “nas imediações da cidade” de Castelo Branco.

No dia 21, domingo, “por volta da 01 hora da madrugada, o suspeito, usando chama direta, colocou um foco de incêndio em zona florestal povoada com pinheiros e mato, dentro de uma vasta mancha florestal, que teria proporções mais gravosas caso não tivesse havido uma rápida intervenção dos bombeiros de Castelo Branco”, acrescenta a nota.

O suspeito, que “colocou em perigo a integridade física e a vida de pessoas, bem como habitações e a grande mancha florestal”, vai ser presente a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.

Fogos da Sertã e Vila de Rei investigados

Entretanto, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, disse hoje que os órgãos de polícia criminal estão a investigar as causas dos incêndios que deflagraram também no sábado no distrito de Castelo Branco, mas com consequência mais graves, na Sertã e Vila de Rei, manifestando “estranheza” por terem começado “separados por poucos minutos”.

Questionado se terá havido mão criminosa nos incêndios, afirmou que não cabe ao Governo nem à Proteção Civil investigar esta matérias, mas sim aos órgãos de polícia criminal.

“Há sim, apontado por todas as entidades no local, pelos autarcas, pelos comandantes de bombeiros, uma estranheza” de como é que começam entre as 14h30 e as 15h30 cinco incêndios de “dimensão significativa numa zona muito próxima”.

Duas dezenas de feridos

Os incêndios de sábado na Sertã e Vila de Rei, que se estenderam depois a Mação, provocaram duas dezenas de feridos, entre bombeiros e civis.

Um deles está internado no Hospital de Santa Maria em Lisboa, em estado considerado grave, mas a evoluir favoravelmente.

A meio da tarde de ontem, pelas 16h25, a Proteção Civil indicava na sua página que ainda estavam cerca de 800 homens, 248 viaturas e 13 meios aéreos a combater o fogo de Vila de Rei e Mação.

Os incêndios da Sertã já estavam controlados a essa hora, mas com 150 homens e 37 veículos em vigilância e rescaldo.




Conteúdo Recomendado