Penamacor reduz dívida em dois milhões

No último ano a câmara de Penamacor reduziu a dívida do município em dois milhões de euros. Uma redução que, segundo António Beites, só foi possível com uma rigorosa contenção orçamental da despesa e corrigindo procedimentos do passado.

“Havia muitas despesas que nós consideramos supérfluas e que estavam a forçar a tesouraria da autarquia, parte delas reduzimo-las e outras cancelamo-las, por exemplo, havia muitos contratos de prestações de serviços, muitos deles cancelamos, outros renegociamos, se calhar não havia um controle adequado na gestão do aprovisionamento da autarquia, que foi fundamental para reduzirmos a despesa e procedemos a negociações nomeadamente de algumas empreitadas em que foram feitos autos de trabalhos a menos de questões que não eram processadas da melhor forma”.

A dívida da câmara de Penamacor passou assim para 8 milhões de euros, quase metade diz respeito à empresa Águas do Zêzere e Côa. A resolução deste diferendo será determinante na decisão da autarquia em optar por uma operação de saneamento financeira para regularizar o passivo “neste momento estamos a ponderar o recurso a mecanismos extraordinários de regularização do passivo, se conseguirmos resolver o diferendo com as Águas do Zêzere e Côa não teremos essa necessidade, se não conseguirmos vamos equacionar essa situação”. À excepção da empresa Águas do Zêzere e Côa, a autarquia de Penamacor não tem dívidas em atraso a fornecedores. O problema do município é que a maioria da dívida contraída é de curto prazo, comprometendo a tesouraria e a possibilidade do executivo recorrer a fundos comunitários, esclarece o autarca, “condiciona-nos a tesouraria e o acesso ao quadro comunitário, porque estamos a preparar o QC e temos que ter disponibilidade de fundos para o enfrentar”.




Conteúdo Recomendado