Maria Irene Ramalho encerra Ciclo de Conferências Internacionais na Guarda

O encerramento decorrerá no próximo dia 18 de dezembro, pelas 17h30, na Sala Tempo e Poesia da Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (BMEL).

No próximo dia 18 de dezembro, a professora jubilada da Faculdade de Letras, investigadora principal do Centro de Estudos Sociais (Universidade de Coimbra) e autora de diversas obras, Maria Irene Ramalho, vem à Guarda encerrar o Ciclo de Conferências Internacionais – A Europa dos Escritores – (2019), com o tema A Europa de Fernando Pessoa, às 17h30, na Sala Tempo e Poesia da BMEL.

O Ciclo de Conferências Internacionais: A Europa dos Escritores, sobre temas da cultura, das problemáticas da Europa e especialmente da literatura, teve início a 6 de junho passado, com a conferência “Arte e literatura na Modernidade (com Portugal ao fundo)”, por Perfecto Cuadrado (Espanha). Entretanto, foram ainda realizadas as conferências: “A Europa de Montaigne”, por Clara Rocha, realizada a 11 de outubro e “A Europa e a guerra na literatura. De Homero à atualidade”, por Andrea Molesini (Itália), no passado dia 8 de novembro.

Trata-se de uma iniciativa da Câmara da Guarda, através da Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, e da Comissão Executiva da Candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura 2027, com coordenação científica de Jorge Augusto Maximino e o apoio do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Segundo Maria Irene Ramalho, “Para falar da Europa de Fernando Pessoa, escutarei atentamente o Ultimatum de Álvaro de Campos, esse zangado “mandado de despejo aos mandarins da Europa” na voz de um imprescindível indisciplinador. Publicado no número único de Portugal Futurista (1917), o Ultimatum impõe uma reflexão sobre o contexto histórico, social, político e bélico das primeiras décadas do século XX, tanto para o diagnóstico da “falência” como para as “intervenções” que, segundo o poeta, abrirão “o Caminho” do “Futuro”.

Sobre Maria Irene Ramalho:

Maria Irene Ramalho (de Sousa Santos) é professora jubilada da Faculdade de Letras e investigadora principal do Centro de Estudos Sociais (Universidade de Coimbra). É au­tora, entre outras publicações, de Atlantic Poets (2008) e “Poetry in the Machine Age” (The Cambridge History of American Literature, vol. V, 2003). Co-org. (com Mario Ma­terassi), The American Columbiad (1996), (com António Sousa Ribeiro), Estudos Femi­nistas e Cidadania Plena (2010) e (com Isabel Caldeira e Maria José Canelo), America Where? (2012). É organizadora de 6 volumes de Poesia do Mundo (1995, 1998, 2001, 2004, 2007 e 2010). Os seus trabalhos mais recentes incluem “Difference and Hierarchy Re-visited by Feminism” (2013), “Quando o lírico interrompe o épico. Sobre Escuro de Ana Luísa Amaral” (2014), “Blindfolded Eyes and the Eyable Being. Pessoa, the Senses, and the 35 Sonnets” (2016), “Orpheu et al. Modernism, Women, and the War” (2017), “Europe and America. An Age-Old Relationship Revisited” (2017), “The Private is Public or Furbies Are Us” e-cadernos ces nº 27 (2017), (com Adriana Bebiano) “A Revista Crítica de Ciências Sociais e o Feminismo” (2018) e “Um caminho curto para um poema grande” (2019).




Conteúdo Recomendado