Deputado do PS questiona Governo sobre passagem de nível em Celorico da Beira

Santinho Pacheco quer ainda saber se o projeto vai ser objeto de discussão pública.

O deputado socialista Santinho Pacheco questionou o Governo sobre as soluções para a supressão da passagem de nível na estação da CP de Celorico da Beira no âmbito das obras de modernização da Linha da Beira Alta.

Numa pergunta dirigida ao ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Santinho Pacheco questiona que soluções existem para a Linha da Beira Alta, na zona da Estação de Celorico da Beira, no distrito da Guarda.

“Havendo nessa povoação uma passagem de nível, o que está previsto para a sua supressão? Passagem aérea ou túnel?”, refere o deputado no documento enviado através da Assembleia da República.

Santinho Pacheco quer ainda saber se o projeto vai ser objeto de discussão pública e se “podem as populações, através dos seus representantes autárquicos e de classe, apresentar sugestões ou soluções alternativas”.

No documento, o deputado eleito pelo círculo eleitoral da Guarda lembra que o investimento que vai ser feito na modernização da Linha da Beira Alta é “vital” para a competitividade do país, “permitirá reduzir em 30% os custos de transportes de mercadorias” e também contribui “para a descarbonização da economia”.

No entanto, assinala que “há fatores locais que importa salvaguardar e defender”, sendo um desses casos a zona de Celorico da Beira e a sua estação da CP.

“Terá sido transmitido à população de Celorico-Gare, em sessão de esclarecimento para debater o projeto de modernização da Linha da Beira Alta, que seria construída uma variante ou circular externa à atual estrada que atravessa a povoação, que sendo uma terra de comércio e restauração teme pela sua sobrevivência e pela viabilidade económica dos seus negócios”, esclarece ainda o socialista Santinho Pacheco.

Segundo o deputado, é do conhecimento público que o desenvolvimento do projeto “está pendente das obras de beneficiação da Linha da Beira Baixa no troço Guarda/Covilhã e da construção, na Guarda, da Concordância das Beiras, que possibilitará o desvio direto de composições da Linha da Beira Alta para a Linha da Beira Baixa, de forma que, durante as obras, se mantenha a circulação de comboios entre a Linha do Norte e a fronteira de Vilar Formoso, através do corredor Entroncamento/Castelo Branco/Covilhã/Guarda”.

“As obras na Linha da Beira Baixa, já adjudicadas e em curso, deverão estar concluídas em 2019 e a partir de 2020 teremos as empreitadas na Linha da Beira Alta em desenvolvimento pleno”, remata.



Conteúdo Recomendado