Simpósio de Arte Contemporânea da Guarda é evento “culturalmente impressionante”

Um Simpósio Internacional de Arte Contemporânea que em 14 dias faz passar pela Guarda 140 artistas, da pintura, da escultura, da arte, da leitura, de 21 países do mundo.

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, considerou ontem que o Simpósio Internacional de Arte Contemporânea, que decorre até ao dia 18, é um evento “culturalmente impressionante”, que projeta a cidade.
“Um Simpósio Internacional de Arte Contemporânea que em 14 dias faz passar pela Guarda 140 artistas, da pintura, da escultura, da arte, da leitura, de 21 países do mundo, eu acho que é uma obra culturalmente impressionante. Nós temos um grande orgulho nisso e o país com certeza que também tem”, disse o autarca aos jornalistas.

Álvaro Amaro falava no Teatro Municipal da Guarda (TMG), no final da cerimónia de abertura do 3.º Simpósio Internacional de Arte Contemporânea (SIAC), que decorre até ao dia 18, naquela cidade do interior do país.

Segundo o autarca, a iniciativa insere-se na “ambição cultural” do município que está a preparar uma “candidatura forte” a Capital Europeia da Cultura em 2017.

Observou ainda que durante o SIAC, a Guarda é uma espécie de “capital nacional” da cultura, pois a cultura “é transversal aos territórios” e “não há a cultura do interior e a cultura do litoral”.

O certame arrancou ontem com a inauguração de uma exposição coletiva internacional de pintura intitulada “Transformações – Da memória à vanguarda da natureza” e de Brigitte Von Humboldt, com o título “Transparências”, na galeria de arte do TMG.

O SIAC, organizado pela Câmara da Guarda através do seu museu, tem por tema “As vanguardas da Memória”, e presta tributo a Paula Rego.

Segundo o programa, nomes como Paula Rego, Susana Miranda ou Fernanda Fragateiro encabeçam a extensa lista de artistas plásticos do certame que se desenrolará em espaços como o museu, o TMG, a Alameda de Santo André, a Praça Luís de Camões, o Solar dos Póvoas, a Rua 31 de Janeiro, o Arquivo Distrital e o Campus Internacional de Escultura Contemporânea.

Paula Rego, considerada “uma das mais conceituadas artistas plásticas da atualidade”, assina a exposição principal intitulada “As infâncias perduráveis”, que será inaugurada na sexta-feira, às 18 horas, com a presença do ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes.

O programa do 3.º SIAC inclui dez exposições, instalações, arte ao vivo (escultura, pintura e gravura), colóquios, palestras, arte urbana, ateliês, poesia visual, recitais, apresentação de livros e ciclos documentais.

Durante o evento será também realizado o 1.º Congresso de Criação na Arte Contemporânea e a “Land Art” que levará atividades à aldeia de Vila Soeiro.

Nas atividades de pintura ao vivo estão presentes Barbara Jane Boulter (Tanzânia), Liz Allan (Inglaterra), Peter de Jong (Holanda), Philippe Amirault (França), Rosa Pereira, Vera Christians (Alemanha) e Henryka Woerle (Polónia).
Na escultura ao vivo participam Nikolay Yotov (Bulgária), Hisham Abdelmoety (Egipto), Jose Carlos Cabello Millan (Espanha), Nedim Ahmetovic Mafa (Servia), Elena Sarasino (Itália), Ciprian Hopirtean (Roménia), Ariel Strukelij (Eslovénia) Antonina Fatkhullina (Rússia), Odysseas Tosounidis (Grécia), Kei Nakamura (Japão), Jaime Carvalho e Yunmi Lee (Coreia do Sul).

O SIAC tem o apoio da Universidade de Salamanca (Espanha), da Casa das histórias Paula Rego, da Fundação Dom Luís, do Centro de Arte Manuel de Brito e da Fundação Serralves.

SPOT SIAC#3

SPOT SIAC#3Vídeo promocional da terceira edição do Simpósio Internacional de Arte Contemporânea – Cidade da Guarda que decorre entre 4 e 18 de junho na cidade mais alta.

Publicado por Município da Guarda em Sábado, 2 de Junho de 2018




Conteúdo Recomendado