Rota das Fortalezas Abaluartadas da Raia vai dinamizar turismo em Almeida

A Antiga Sala de Armas, em Almeida vai acolher o Centro de Interpretação da Rota das Fortalezas Abaluartadas da Raia.

O Centro de Interpretação da Rota das Fortalezas Abaluartadas da Raia foi apresentado em Almeida, no CEAMA – Centro de Estudos de Arquitetura Abaluartada. Esta nova rota de turismo do património implicará a criação de 4 centros de interpretação em cada um dos municípios envolvidos, em Almeida, Elvas Valença e Marvão.


Este programa implicará a criação de uma Rota temática que agrupa os diferentes pólos do projeto. Um conjunto de ferramentas de experimentação turística, branding associado contemplando, também, o desdobramento da marca em vários suportes comunicacionais (site, folheto, vídeo, merchandising) e ferramenta de monitorização do projeto completam o investimento.

Em Almeida, o Centro de Interpretação vai nascer na antiga Sala de Armas, na porta de entrada de Almeida, nas Portas Exteriores de São Francisco. O projeto foi candidatado ao Turismo de Portugal e irá focar-se sobre as estuturas fortificadas de Almeida e do concelho, para além de divulgar as fortificações de Elvas, Marvão e Valença, que terão também o seu Centro Interpretativo onde Almeida estará representada, explicou o Presidente da Câmara de Almeida, António Machado.

Quanto à entrega da candidatura de Almeida a Património Mundial da UNESCO, que integra também as localidades de Elvas Valença e Marvão, António Machado salientou que será feita em meados de Dezembro, com a entrega de uma primeira versão digital, para ser avaliada e melhorada. Depois, o governo irá pronunciar-se sobre os fundamentos e conteúdos da candidatura durante o ano de 2020. Se merecer uma candidatura efetiva, o governo fará a seguir a entrega na sede da UNESCO, em Paris, para ser avaliada por peritos internacionais, durante o ano de 2021.

O autarca de Almeida destacou o trabalho em equipa, desenvolvido há vários anos pela autarquia, com a promoção de seminários, onde têm marcado presença investigadores e historiadores nacionais e internacionais, as publicações cientificas nas revistas do Centro de Estudos de Arquitetura Abaluartada e a importância de várias individualidades no peso deste dossier de candidatura, como o arquiteto João Campos, o historiador espanhol Fernando Cobos, ou ainda Margarida Alçada, coordenadora da candidatura das Fortalezas Abaluartadas da Raia, a Património Mundial.

A Rota das Fortalezas Abaluartadas pretende ser um produto turístico patrimonial de interpretação e valorização de um legado histórico único, da raia portuguesa. Almeida, Valença, Marvão e Elvas dão corpo à candidatura das Fortalezas Abaluartadas da Raia a património Mundial, junto da UNESCO. A criação desta rota vai permitir uma melhor interpretação, valorização e projeção deste legado patrimonial.

Recorde-se que em fevereiro, em Valença, a antiga Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, presidiu à assinatura do contrato de financiamento desta Rota Temática “Rota das Fortificações Abaluartadas da Raia”, que tem um investimento de 300 mil euros, financiado pelo programa Valorizar, a linha de apoio à valorização turística do interior, do Turismo de Portugal.




Conteúdo Recomendado