Projeto do Alto Mondego – Rede Cultural com balanço positivo

O projeto de dança “Volta”, integrado na Rede Cultural Alto Mondego, terminou no passado dia 16 de agosto, em Fornos de Algodres.

A iniciativa VOLTA percorreu os quatro municípios que promoveram o projeto do “Alto Mondego, Rede Cultural”: Nelas (21 de junho), Mangualde (17 de julho), Gouveia (7 de agosto) e, por último, Fornos de Algodres (16 de agosto). Ao longo de três meses o espectáculo de dança percorreu os concelhos de Nelas, Mangualde, Fornos de Algodres e Gouveia e, segundo os seus autarcas o balanço é bastante positivo.

Para José Borges da Silva, presidente Câmara Municipal de Nelas, o projeto VOLTA foi “um espetáculo maravilhoso”, mostrando-se surpreendido por “ver transformarem aquilo que é a dança tradicional, a nossa etnografia centenária, num espetáculo do século XXI”. Por sua vez, João Azevedo, presidente da Câmara Municipal de Mangualde, salientou a importância do evento apra o território e o “envolvimento das pessoas, a transformação da tradição, daquilo que é uma cultura e um património nossos, num projeto diferente, mais animado”.

O autarca de Gouveia, Luís Tadeu Marques, aproveitou a ocasião para congratular todos os ranchos folclóricos dos municípios envolvidos e todos aqueles que desenvolveram e apoiaram o projeto, referindo que “esta VOLTA veio comprovar que as gentes destes concelhos, se desafiadas, elas conseguem unir-se e partilhar amizades e sentimentos num palco”. Luís Tadeu acrescentou ainda que este espetáculo “deve ir para fora da rede”.

Para Manuel Fonseca, presidente da Câmara Municipal de Fornos de Algodres, o que une as comunidades intermunicipais, diferentes entre si, é o símbolo do Rio Mondego, e acrescenta que esta iniciativa “pode ser o início de outros projetos, não só em termos culturais, mas noutras áreas. É importante que os municípios ultrapassem fronteiras, e que se possam continuar a fazer trabalhos como estes”.

 

Sobre o Projeto VOLTA

VOLTA é um projeto de pesquisa e criação coreográfica que pretende ligar a dança contemporânea às danças tradicionais do Alto Mondego e se desenvolve nos Municípios de Fornos de Algodres, Gouveia, Mangualde e Nelas. A iniciativa procura criar conexões entre as entidades locais que fomentam a prática de dança tradicional, como ranchos folclóricos e coletividades, e profissionais de dança contemporânea, reconhecidos pela sua experiência e qualidade no desenvolvimento de trabalhos com a comunidade.

 

O projeto tem como principais objetivos a criação de um objeto artístico com pertinência no contexto atual das artes performativas, e a valorização das populações, tradições e culturas autóctones aproximando-as do meio da arte contemporânea. Para isso salienta-se o trabalho de identificação, documentação e comparação dos vários tipos de dança tradicional dos territórios, com o intuito de recuperar e preservar o seu património, e o recurso a parcerias com escolas de dança, universidades, associações e grupos locais, que farão o acompanhamento do projeto na sua vertente teórica e prática.



Conteúdo Recomendado