João Morgado apresenta a sua obra em Paris e no Rio de Janeiro

Em Paris, João Morgado recitou poesia ao lado do pianista Bruno Belthoise e, no Rio de Janeiro apresentou o seu livro “Vera Cruz”.

No passado dia 9 de maio, o escritor João Morgado apresentou o seu livro “Vera Cruz” no Grémio Português de Nova Friburgo (NF), no Estado do Rio de Janeiro. O evento contou com as autoridades locais e muito público para uma palestra sobre Cabral “esse grande desconhecido que é o elo cultural e histórico entre dois povos”.

O autor foi recebido oficialmente na cidade, em plenos festejos dos 200 anos de idade, representando também Belmonte, vila com a qual se prepara uma geminação.

No decorrer do mês de julho, a Associação Comercial e Industrial de Nova Friburgo será recebida pelo presidente da Câmara de Belmonte, António Rocha, para “encetar contactos comerciais e preparar uma delegação empresarial para o próximo ano”. Segundo uma nota informativa, uma réplica de N. Srª da Esperança foi já transportada para NF, tendo sido consagrada pelo bispo local, Dom Edney Mattoso. A réplica é apresentada ao público este mês, aquando da celebração dos 150 anos da Catedral, posteriormente fará parte do espólio do futuro museu de arte sacra.

Em pleno Rio de Janeiro, João Morgado foi recebido no Real Gabinete Português de Leitura, onde o presidente do Gabinete, Francisco Gomes da Costa, mostrou as salas vedadas ao público onde estão algumas preciosidades da obra de Camilo Castelo Branco e Eça de Queiroz, e o cofre onde são guardadas duas relíquias da história literária portuguesa: o manuscrito “Amor de Perdição” e a primeira edição d’Os Lusíadas’.

João Morgado visitou ainda a Academia Brasileira de Letras, onde foi recebido pelo embaixador Jaime Leitão, pelo cônsul João de Deus, e Flávio Martins, presidente das Comunidades Portuguesas. Na ocasião, foi tornado sócio honorário da Casa do Minho, uma das maiores instituições portuguesas no Rio de Janeiro.  

No dia 12 de maio, na Casa de Portugal, em Paris, João Morgado declamou poesia portuguesa, acompanhado pelo pianista francês, Bruno Belthoise. Segundo o escritor, este espetáculo é “um diálogo entre a música clássica e a palavra de poetas portugueses como Pessoa, Florbela Espanca, Eugénio de Andrade, Ary dos Santos”, que “atrai pessoas para a música clássica e poesia, duas áreas não muito populares, mas que juntas oferecem um momento culturalmente agradável”.

Integrado no Festival Literário de Bragança, João Morgado visitou algumas escolas para apresentar o seu trabalho e incentivar à leitura. Seguidamente, no Centro de Fotografia Georges Dussaud esteve à conversa com o escritor Bruno Vieira Amaral.



Conteúdo Recomendado