“Festival de Cinema Ambiental de Seia exibe o melhor da produção mundial”

A 20.ª edição do CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, que começou no sábado em Seia, reúne “o melhor da produção mundial” daquela temática, anunciou o seu diretor Mário Jorge Branquinho.

O festival, que decorre até ao próximo dia 18, na Casa Municipal da Cultura de Seia, tem 75 filmes em competição (curtas, médias e longas metragens), oriundos de 24 países.

Na competição internacional serão exibidas 14 longas-metragens que abordam temáticas relacionadas com a questão nuclear, utopia na arquitetura, dureza da vida nos mares da Galiza, contaminações radioativas, fúrias da natureza e meandros dos mercados de crédito de carbono, entre outras.

O festival tem também a competição regional para obras produzidas na região da Serra da Estrela, onde concorrem nove curtas e médias metragens, entre ficção e documentário, e a competição da Lusofonia, dedicada a longas e curtas-metragens.

O diretor do evento, Mário Jorge Branquinho, disse hoje à agência Lusa que os filmes exibidos durante o CineEco têm entradas gratuitas para o público, exceto as sessões comerciais das 21h30.

Segundo o responsável, durante o festival, a cidade de Seia é a “capital do cinema ambiental”, acolhendo realizadores, jornalistas, diretores de festivais de cinema e várias personalidades do cinema, do teatro, da música e da televisão.

A organização espera que os filmes exibidos durante oito dias sejam visualizados por seis mil pessoas, como aconteceu na edição do ano anterior.

Na sessão de abertura do festival, que arrancou com a exibição do filme “Love Thy Nature”, de Silvie Rokab (EUA), o presidente da Câmara Municipal de Seia, Carlos Filipe Camelo, disse que a autarquia tem orgulho por ser a organizadora do único festival de vídeo e ambiente da Serra da Estrela.

Segundo o autarca, o CineEco é “uma ferramenta de descoberta, informação, educação e reflexão” e um espaço de debate sobre as temáticas ambientais.

O secretário de Estado do Ambiente, Paulo Lemos, também presente na cerimónia de abertura, referiu que a iniciativa “tem sido um contributo importante em termos de cinema e ambiente” e é uma referência a nível internacional.

“A existência de um Festival de Cinema de Ambiente é muito importante do ponto de vista da sensibilização ambiental”, reconheceu.

Paulo Lemos disse que sempre ouviu falar, “com muitos elogios”, do festival de Seia e desejou que “continue a dar o seu contributo para o ambiente, para o cinema e para o país”.

A programação da 20.ª edição do CineEco também integra a realização de várias atividades paralelas como uma conferência, exposições, uma cimeira de diretores de festivais de cinema de ambiente de vários países e várias oficinas sobre educação ambiental.

Uma homenagem ao realizador Carlos Brandão Lucas e um concerto com o grupo Jafumega, no dia do encerramento, completam o programa do festival organizado pela Câmara Municipal de Seia.



Conteúdo Recomendado