Empresa mineira requer atribuição de direitos de prospeção em Foz Côa

O aviso, planta de localização e a publicitação do pedido estão também disponíveis na página eletrónica da Direção de Serviços de Minas e Pedreiras da DGEG.

A Minaport – Minas de Portugal, Lda., requereu a atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos minerais numa área denominada Alto de Santo Amaro, no concelho de Foz Côa”, foi hoje publicado em Diário da República.

A empresa de exploração mineira Minaport – Minas de Portugal requereu a atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos minerais de ouro, prata, cobre, chumbo, zinco, arsénio, antimónio, estanho e tungsténio numa área denominada “Alto de Santo Amaro”, localizado no concelho de Vila Nova de Foz Côa, no distrito da Guarda, para um total de 43,186 km2.

O presidente da Câmara de Vila Nova de Foz Côa, Gustavo Duarte, vê com bons olhos este de tipo prospeção mineira, o que poderá trazer “mais-valias económicas e postos de trabalho ao concelho”.

“A consumar-se a exploração em causa, poderá trazer postos de trabalho, à semelhança do que acontece numa outra exploração mineira, no Lugar de Murça, na freguesia de Freio de Numão”, indicou o autarca.

A partir de agora, todos os interessados, no prazo de 30 dias, podem apresentar por escrito, ao abrigo do n.º 1 do artigo 6.º, reclamações fundamentada em relação ao projeto e ao abrigo do n.º 1 e do n.º 3 do artigo 5.º, propostas contratuais.

O pedido está patente para consulta, dentro das horas de expediente, na Direção de Serviços de Minas e Pedreiras da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), entidade para quem devem ser remetidas as reclamações.

O aviso, planta de localização e a publicitação do pedido estão também disponíveis na página eletrónica da Direção de Serviços de Minas e Pedreiras da DGEG, indicou o órgão oficial do Governo




Conteúdo Recomendado