Direção-Geral dos Arquivos apoia diocese da Guarda no tratamento de documentação

A diocese da Guarda celebrou hoje um protocolo de colaboração com a Direção-Geral do Livro dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB) e o Arquivo Distrital local, para apoio técnico na área da gestão de arquivos.

O protocolo, assinado nas instalações do Arquivo Distrital da Guarda (ADGRD), tem por objetivo “a preservação, gestão, valorização e o acesso ao património arquivístico, produzido ou acumulado no sistema de arquivo da diocese da Guarda e que integra ou venha a integrar o Arquivo Diocesano”.

O bispo da Guarda, Manuel Felício, considera que o apoio técnico da DGLAB é importante, uma vez que permitirá tratar a documentação existente, para que “não esteja escondida” e seja disponibilizada “às pessoas e às instituições”.

“A parte do espólio que nós temos tratado no Arquivo Diocesano é uma parte pequena, embora seja grande. Quando cheguei à diocese encontrei dois porões’ da Casa Episcopal carregados de documentação, desde a base até ao teto. E essa documentação toda foi transportada para as nossas novas instalações [do Arquivo Diocesano] e, em grande medida, já está tratada”, disse.

Referiu ainda que os dois funcionários da diocese que estão ao serviço do Arquivo já estão a proceder à digitalização de documentos e, posteriormente, “será equacionado o que é que é disponibilizado [ao público] e o que não é”.

O prelado diocesano alertou, no entanto, para a necessidade de ser feita uma intervenção ao nível dos Arquivos Paroquiais: “Pela nossa frente temos um outro horizonte. Há 365 Arquivos Paroquiais na nossa diocese que precisam de ser tratados”.

Disse que alguns arquivos existentes nas paróquias deixaram-no preocupado pela forma “como estão condicionados”.

“E queremos avançar para isso, para que toda esta documentação não esteja aí [nos arquivos] escondida, porque a documentação não é para estar escondida, a documentação é para se conhecer, [para se] disponibilizar dentro do possível, ser gerida, para o bem das pessoas e das instituições”, justificou Manuel Felício.

O diretor-geral da DGLAB, Silvestre Almeida Lacerda, valorizou o protocolo hoje celebrado com a diocese da Guarda, porque vai permitir conhecer melhor o património arquivístico existente naquela instituição e para “ajudar a preservação da documentação que se encontra” à sua guarda.

O acordo é um primeiro passo para “conhecer o que existe” na diocese em termos de documentação, sublinhou.

“A questão fundamental é o conhecimento para a preservação, o conhecimento para que seja possível definir formas de intervenção e de salvaguarda desse mesmo património”, afirmou Silvestre Almeida Lacerda.

O diretor do ADGRD, Levi Coelho, lembrou que a diocese da Guarda é “uma das instituições mais antigas” da área do distrito da Guarda e “cuja existência é indissociável de todas as comunidades da região”.

O Arquivo Diocesano está instalado nas proximidades do Paço Episcopal, no antigo imóvel que foi ocupado pela Caritas Diocesana.

A diocese da Guarda, com 365 paróquias, tem uma área de 6.759 quilómetros quadrados e uma população estimada em 250.000 habitantes, abrangendo paróquias dos distritos de Guarda, Castelo Branco e Coimbra.




Conteúdo Recomendado