CDS questiona Governo sobre substituição do equipamento de laparoscopia do Hospital da Guarda

Os deputados do CDS-PP questionam a ministra da Saúde sobre que medidas estão a ser tomadas para resolver esta situação.

Numa pergunta enviada à ministra da Saúde, os deputados do CDS-PP, João Rebelo e Ana Rita Bessa, querem saber se a tutela confirma que o Hospital da Guarda está sem efetuar cirurgias ao estômago e cólon por falta de equipamento de laparoscopia, e que está a ser utilizado um aparelho com 12 anos, que “tem estado parado por estar obsoleto”.

Os dois deputados questionam também sobre que medidas estão a ser tomadas para resolver a situação, se há a intenção de alugar um equipamento enquanto não é adquirido um novo, quando estará concretizado o aluguer e, ainda, quando será lançado o concurso para aquisição do novo equipamento de laparoscopia para o Hospital da Guarda.

Segundo avança o Jornal de Notícias, na edição do dia 19 de março, “desde quinta-feira passada que o Hospital da Guarda está sem efetuar cirurgias ao estômago e cólon por falta de equipamento de laparoscopia. A empresa Endotécnica, que emprestou o material em 2016, decidiu removê-lo e deixou o serviço reduzido a um aparelho com 12 anos, parado por estar obsoleto, mas que ontem de manhã acabou por ser utilizado numa operação à vesícula”.

Segundo uma fonte da administração da Unidade Local de Saúde da Guarda, está em marcha um concurso público para aquisição de uma nova torre laparoscópica, concurso que, no entanto, ainda está por publicar na plataforma do Estado.

Segundo o CDS-PP, enquanto não chegar o novo aparelho, deverá ser feito o aluguer de outro, contudo, não se prevê quando é que esse aluguer irá ser concretizado e disponibilizado.

Em 2016, a torre laparoscópica deu entrada no Hospital da Guarda, sendo utilizada em cerca de 400 cirurgias anuais. O uso deste equipamento reduz o tempo da intervenção, de internamento e de recuperação do doente.

 




Conteúdo Recomendado