Assembleia Municipal da Guarda exige obras no hospital

A Assembleia Municipal (AM) da Guarda aprovou hoje, por unanimidade, um voto de protesto por a requalificação do Pavilhão 5 do Hospital Sousa Martins (HSM) ficar de fora do Programa de Investimentos na Área da Saúde.

O protesto foi apresentado pelo deputado do CDS-PP José Carlos Breia Lopes, no período de Antes da Ordem do Dia da AM da Guarda, presidida por Cidália Valbom (PSD).

Aquele órgão autárquico deliberou apresentar ao Governo e ao Ministério da Saúde “um voto de protesto pela não inclusão, no Programa de Investimentos na Área da Saúde, da obra de requalificação” do Pavilhão 5 do Hospital Sousa Martins (onde funcionaram as urgências até à abertura do novo bloco, em 2014), da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda, “reclamada há vários anos”.

A AM também protesta no documento “contra a insensibilidade” que a decisão demonstra, “de forma mais particular, perante um serviço de saúde maternoinfantil que carece de melhores condições assistenciais, preconcecional, pré e perinatal e infantil”.

Segundo o CDS-PP, notícias recentes dão conta de “que o Governo aprovou o Programa de Investimentos na Área da Saúde, com uma dotação de 90 milhões de euros, mas que nele não incluiu a tão desejada requalificação do conhecido Pavilhão 5 do HSM, para alojar e melhorar as condições de funcionamento do serviço de saúde maternoinfantil da ULS Guarda”.

“Nada disto se nos afigura estranho porque o Interior, de uma forma geral, e o setor da Saúde, de forma particular, não têm estado na linha da frente das prioridades políticas deste Governo”, referiu José Carlos Breia Lopes.

A AM da Guarda aprovou também hoje, por unanimidade, dois votos de pesar, um pela morte do ensaísta e crítico literário João Bigotte Chorão e outro pelo falecimento do antigo autarca local Artur Neves Pina.

O voto de pesar pelo falecimento de João Bigote Chorão foi apresentado pelo deputado municipal do CDS-PP José Carlos Breia Lopes.

Segundo o deputado, o “ilustre guardense” que nasceu, na Guarda, em 1933, e que faleceu no dia 23 de fevereiro, em Lisboa, foi “um estudioso de literatura autobiográfica e deixa vários ensaios sobre a obra de Camilo Castelo Branco”.

A deputada do PS Conceição Santos propôs o voto de pesar pelo falecimento, no dia 09 de abril, de Artur Santos Neves Pina, que nasceu no concelho do Sabugal a 19 de fevereiro de 1928 e foi vice-presidente da Câmara Municipal e secretário da Mesa da Assembleia Municipal da Guarda.

“Recordaremos sempre as suas enormes qualidades humanas, a sua disponibilidade para colaborar e ajudar o próximo, de forma desinteressada tratando a todos com enorme respeito, independentemente da idade ou opiniões”, disse a socialista.




Conteúdo Recomendado