Gouveia, Guarda, Pinhel, Seia, Vila Nova de Foz Côa e Fundão distinguidas como Autarquias Familiarmente Responsável

São 58 os municípios que este ano vão receber uma bandeira verde por serem autarquias familiarmente responsáveis, mais 16 do que no ano passado, um número que coincide com o das autarquias premiadas pela primeira vez.

O Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis, que elabora a listagem, revela, ainda, que há 37 municípios que recebem o prémio há três ou mais anos consecutivos.

O observatório avalia a forma como cada um dos municípios trata um total de 12 áreas como o apoio à maternidade e paternidade, o apoio às famílias com necessidades especiais, a educação, a habitação, os transportes, a saúde ou a cultura e o desporto. Este ano, concorreram às bandeiras verdes 109 municípios, dos quais 58 recebem o galardão, 37 dos quais pela terceira vez consecutiva.

Estas são autarquias que, de acordo com o observatório, se destacam pelo facto de terem, por exemplo, uma rede de transportes gratuitos para toda a população, comparticipam tratamentos dentários e oftalmológicos, atribuem bolsas sociais para creches, promovem férias desportivas gratuitas, disponibilizam passes gratuitos para todos os estudantes e criaram tarifas familiares da água.

Lisboa lidera nos distritos com mais municípios premiados (18%), seguido de Coimbra (14%), Santarém (12%) e Guarda (9%).

O Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis foi criado em 2008 pela Associação das Famílias Numerosas, que já reagiu a estes resultados. O facto de serem mais 16 municípios premiados do que no ano passado são boas notícias, no entender da Ana Cid Gonçalves.

“É bastante visível a forma como os municípios se têm empenhado em encontrar soluções para as necessidades e os anseios das famílias. É sinal que os municípios estão a tentar desenvolver boas práticas e mostra o bom trabalho do observatório, que é precisamente descobrir essas boas práticas e partilhá-las entre os municípios”, diz.

A responsável da Associação de Famílias Numerosas lembra que cada município deve estar atento às necessidades específicas dos seus habitantes: “Aquilo que se pretende não é que todos os municípios façam o mesmo, até porque as necessidades das famílias consoante o sítio onde vivem, também são diferentes, e aquilo que são as necessidades dos municípios, em termos geográficos e de expansão territorial conduzem a necessidades diferentes.”

“O que é importante é que cada município descubra quais as necessidades próprias dos seus munícipes e que vão ao seu encontro no sentido de facilitação da vida e apoio àqueles que estão em situação mais vulnerável, como os idosos e as crianças”, conclui.

Ana Cid Gonçalves reconhece que ainda há pormenores que cada um destes municípios deve, ainda, aperfeiçoar. Para o futuro é preciso alargar estas boas práticas a outras autarquias.

oafr2016_palma1251f202

Consulte aqui a lista completa das autarquias premiadas:

Lousã*, Madalena, Mealhada*, Abrantes*, Águeda*, Alcoutim, Alenquer, Almodôvar, Amadora*, Angra do Heroísmo*, Boticas*, Braga*, Cantanhede*, Cascais*, Castro, Marim*, Coimbra*, Coruche, Estarreja*, Funchal*, Góis, Gouveia*, Guarda*, Ílhavo, Lisboa*, Loures*, Mação*, Mértola*, Miranda do Corvo*, Montijo*, Odivelas, Oeiras, Oliveira do Hospital, Ovar, Penafiel, Pinhel*, Pombal, Ponta Delgada, Póvoa de Lanhoso*, Praia da Vitória, Santarém*, Sardoal, Seia*, Sever do Vouga, Sintra*, Soure, Tábua, Tomar, Torres Novas*, Torres Vedras*, Vieira do Minho*, Vila de Rei*, Vila Franca de Xira*, Vila Nova de Famalicão*, Vila Nova de Foz Côa*, Vila Real*, Vila Real de Santo António*, Viseu, Fundão*

*Autarquias que recebem bandeira com palma, por receberem o prémio por três ou mais anos consecutivos