Rússia à descoberta das Beiras

A Câmara de Comércio da Rússia em Portugal vê várias oportunidades de negócio com empresas do interior do país e está disponível para promover esse intercâmbio, apontou hoje o presidente daquele organismo, Igor Zolkin.

A convite da Câmara de Comércio da Região das Beiras, este responsável está a realizar uma visita de três dias aos concelhos do Fundão e Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e já apresentou propostas de negócio a algumas empresas de diferentes setores.

Além dos encontros empresariais, o programa desta visita também integrou a assinatura de um protocolo entre a Câmara de Comércio da Região das Beiras e a Câmara de Comércio da Rússia em Portugal, numa parceria que firma o objetivo comum de contribuir para a dinamização da economia dos dois países, através da promoção de contactos empresariais e divulgação turística.

A cooperação entre as duas entidades foi oficializada ontem, mas o trabalho conjunto tinha sido iniciado anteriormente, como frisaram os responsáveis destas duas câmaras de comércio, durante a sessão que decorreu após uma visita ao empreendimento turístico “Minas da Recheira”, que está a ser criado na localidade do Barco, concelho da Covilhã.

“Estamos a fazer isto, não porque quiséssemos assinar mais um acordo de colaboração. Estamos a fazer isto porque já temos alguns projetos conjuntos para realizar”, frisou Igor Zolkin.

Segundo adiantou, a concretização destes projetos pode passar por diferentes negócios, designadamente pela possibilidade de a Rússia fornecer para Portugal produtos como contraplacado, cogumelos e farinha sem glúten, entre outros.

Em contrapartida, considera este responsável, a região poderá apostar na exportação de produtos como vinho, azeitonas, azeite, calçado, vestuário e têxtil, entre outros produtos portugueses que são muito apreciados na Rússia.

Este responsável admitiu ainda que tem uma expectativa elevada ao nível dos resultados: “A minha experiência diz-me que quando temos dez projetos, no mínimo concretizamos dois. Ora, aqui temos mais do que dez”.

Outra oportunidade para Portugal prende-se com a possibilidade de atrair turismo proveniente da Rússia para o território nacional, como apontou a presidente da Câmara de Comércio da Região das Beiras, Ana Correia.

“Tudo isto significa que já temos uma interação entre as duas culturas e que a partir daqui vamos avançar para o negócio, promovendo as Beiras”, referiu.

Ana Correia anunciou ainda que já está a ser preparada a realização de um congresso económico a realizar na cidade do Fundão e que deverá contar com uma comitiva da localidade russa de Uvarovo, constituindo-se como uma oportunidade para os empresários dos dois territórios estabelecerem contactos e apresentarem as suas mais-valias.

O colóquio está a ser programado para novembro, mas a confirmação da data dependerá da evolução da situação pandémica.

Entretanto, seguem vários contactos e há já algumas propostas de negócio concretas, que “certamente vão dar fruto num curto espaço de tempo”, apontou o vice-presidente da Câmara de Comércio da Região das Beiras, João Morgado.

“Muitas vezes assinam-se protocolos apenas como boas intenções. Neste caso andámos ao contrário, já há contactos comerciais, já há coisas no terreno e só agora é que vamos assinar o protocolo, no fundo, para oficializar o trabalho que já está a ser feito”.

Além disso, segundo foi hoje anunciado pelos responsáveis destas duas câmaras de comércio, também está a ser preparada uma geminação entre o Fundão (concelho com a maior área de produção de cereja em Portugal) e a localidade de Uvarovo, que é considerada a capital da ginga na Rússia.

A Câmara do Comércio da Região das Beiras tem como principal objetivo “um trabalho contínuo para mobilizar a economia da região das Beiras”.



Conteúdo Recomendado