Pinhel aprova orçamento de 26 milhões de euros para executar projetos estruturantes

O município de Pinhel, no distrito da Guarda, aprovou o Orçamento para 2021 no montante de 26 milhões, que inclui vários investimentos estruturantes, tendo as empresas e as famílias como prioridade, foi hoje anunciado.

Para o presidente da Câmara, Rui Ventura, trata-se de “um Orçamento arrojado e a pensar no futuro” do concelho, “que vem dar continuidade ao projeto iniciado há sete anos”.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o autarca salientou que “é um orçamento que revela audácia e coragem, mas também responsabilidade”, com vários os investimentos estruturantes, como a ampliação da Zona Industrial, a construção da Avenida Cidade do Vinho e Centro Intermodal (ponto de interface entre um Parque TIR e uma área de circulação pedonal)”.

A nova Biblioteca Municipal, o Centro de Bem-Estar Animal, o projeto “Ver e Sentir o Falcão” (que integra a construção da falcoaria e de um conjunto de miradouros ao longo do rio Côa) e o Parque de Caravanismo, são outros dos projetos contemplados nas Grandes Opções do Plano.

“São de facto vários projetos que o Município de Pinhel ambiciona concretizar, alguns deles já adjudicados, outros em fase de concurso e outros ainda em fase de elaboração de projeto pelos Serviços Técnicos da Câmara Municipal”, refere a nota.

Segundo Rui Ventura, “quanto mais adiantados e preparados estivermos, em melhores condições estaremos de aproveitar as oportunidades que possam vir a surgir, tanto mais com o benefício de termos uma execução de 97,5% dos projetos que vimos aprovados, o que mostra responsabilidade e dá maturidade aos projetos que apresentaremos no futuro”.

O executivo de Pinhel destacou que o orçamento foi elaborado de acordo com a auscultação efetuada junto de cada uma das 18 freguesias do concelho

“Um dos alertas mais repetidos nas reuniões realizadas foi o da necessidade de reabilitar vias de comunicação e cuidar do espaço público, motivo que levou ao reforço das dotações destinadas a este fim”, adianta o comunicado.

A conclusão dos sistemas de rejeição e posterior tratamento de águas residuais é outro dos compromissos assumidos com as populações de algumas freguesias que ainda se debatiam com este problema, que o atual executivo municipal se comprometeu a resolver até ao final do mandato em curso, ou seja, até meados de 2021.

O presidente da Câmara sublinhou que, pese embora “os muitos projetos que a autarquia ambiciona realizar, não deixa de manter o foco nas famílias e nas empresas do concelho”, com o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), com aplicação do IMI Familiar, a manter-se nas taxas mais baixas.

Já no que diz respeito às empresas, o autarca Rui Ventura destacou a isenção da taxa de derrama para todas as empresas com domicílio fiscal em Pinhel, bem como a redução de diversos tipos de taxas e a dinamização da zona industrial, que permitiu a instalação ou ampliação de várias empresas, pelo que o Orçamento considera urgente o projeto de ampliação.



Conteúdo Recomendado