Guarda incentiva compostagem doméstica e combate desperdício alimentar

A Junta de Freguesia da Guarda distribuiu uma centena de compostores domésticos pelos habitantes da cidade, no âmbito de um projeto de incentivo à compostagem e à redução do desperdício alimentar em casa, foi hoje anunciado.

O projeto “Guarda sem Desperdício”, que terminou em junho, teve início em outubro de 2018, no âmbito do programa JUNTAr, uma iniciativa do Ministério do Ambiente e do Fundo Ambiental.

O presidente da Junta de Freguesia da Guarda, João Prata, disse hoje à agência Lusa que o projeto envolveu custos globais de 32 mil euros e teve um apoio de 24 mil euros.

Com o projeto, a autarquia, que abrange a totalidade da área urbana da cidade da Guarda e alguns aglomerados rurais do seu perímetro, pretendeu incentivar a compostagem doméstica e contribuir para a redução do desperdício alimentar, através do aproveitamento integral e de restos de alimentos.

João Prata disse à Lusa que na vertente da compostagem foram feitas ações de sensibilização que envolveram cerca de 300 pessoas e distribuídos 100 compostores domésticos para quintais e jardins e 150 pequenos baldes para recolha dos desperdícios em casa.

“Diria que foi um projeto muito forte para a Freguesia da Guarda. Através da sensibilização para a compostagem doméstica, utilizando os resíduos biodegradáveis gerados em casa, diminuímos a quantidade de resíduos enviados para aterro e contribuímos para a reutilização de recursos”, disse o autarca.

No âmbito do projeto, a autarquia também adquiriu um biotriturador, que permite triturar resíduos verdes (por exemplo restos de arbustos retirados de jardins), que depois são utilizados para fertilizar terrenos da Junta de Freguesia.

Foram ainda editadas duas publicações: “Como fazer compostagem em casa” e “Como reduzir o desperdício alimentar em casa”.

A vertente do projeto que visou sensibilizar e informar a população sobre o aproveitamento de restos alimentares teve como “embaixador” o ‘chef’ de cozinha Carlos Henriques, que possui um restaurante na Finlândia onde desenvolve e aplica o conceito “zero desperdício”, indicou o responsável.

Carlos Henriques tem ligações à região da Guarda por ter feito o seu percurso formativo na Escola Profissional de Hotelaria de Manteigas e na Escola Superior de Turismo e Hotelaria de Seia, segundo João Prata.

Na execução do projeto “Guarda sem Desperdício”, a Junta de Freguesia teve como parceiros a associação Circular Economy Portugal e o Instituto Politécnico da Guarda, através da Escola de Tecnologia e Gestão (alunos do curso de Energia e Ambiente dinamizaram ações de sensibilização sobre compostagem doméstica) e de Turismo e Hotelaria (os estudantes foram responsáveis pela formação em culinária contra o desperdício alimentar).

A Freguesia da Guarda candidatou este ano outro projeto ambiental para dar continuidade ao trabalho realizado nos últimos nove meses, disse o seu presidente.




Conteúdo Recomendado