GAL Castelos do Côa aumenta número de parceiros

http://www.vida-e-tempos.com/2014/05/lisboa-festival-de-mascara-iberica-mais.html

Grupo dinamizado pela Raia Histórica ainda aguarda definição das regras para atribuição de verbas do novo quadro comunitário.

O Grupo de Ação Local (GAL) dos Castelos do Côa, dinamizado pela Raia Histórica – Associação de Desenvolvimento do Nordeste da Beira, deu na semana passada o “pontapé de saída” da estratégia para aproveitar os fundos do novo quadro comunitário. Pinhel acolheu na semana passada mais uma Assembleia de Parceiros daquele grupo de trabalho a que aderiram mais entidades dos concelhos de Almeida, Figueira de Castelo Rodrigo, Mêda, Pinhel e Trancoso. A reunião visou consensualizar a parceria em torno da qual será elaborada a estratégia de desenvolvimento local Castelos do Côa 2020. No final dos trabalhos, o coordenador da Raia Histórica explicou que a reunião foi «o primeiro passo para se elaborar uma estratégia para um território», considerando importante «ter parceiros, ouvir os atores no terreno e aqueles para quem é dirigido o investimento e os apoios e com eles partilhar as suas ideias, preocupações e necessidades, de modo a colocarmos isso no papel». Sales Gomes salientou que o objetivo é que os interessados possam fazer os seus investimentos e «criar postos de trabalho, fixar jovens e combater a desertificação». O responsável indicou que no anterior quadro comunitário, o GAL Castelos do Côa tinha 55 parceiros que se mantêm e aos quais se juntaram mais alguns na reunião de Pinhel, pelo que deverão agora ser entre 70 a 80 entidades. «Tentámos conseguir fazer uma cobertura das diversas entidades em termos de estabelecimentos de ensino, empresas, associações empresariais, IPSS’s, autarquias, evitando sempre que possível a pessoa individual», afirmou o coordenador. De resto, os interessados em juntar-se à Raia Histórica devem contactar a associação, uma vez que «queremos ideias e discussão, de modo a que amanhã ninguém venha dizer que a sua iniciativa não foi contemplada porque nós não os ouvimos». Quanto às “regras do jogo” em termos de financiamento, Sales Gomes esclarece que a associação já as conhece em termos de FEADER (Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural e «genericamente» em termos de FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional) e de FES (Fundo Social Europeu, mas «não sabemos nem os montantes, nem as prioridades, nem as percentagens para as diversas medidas», estimando que, dados os prazos que têm que ser respeitados, «antes do fim do verão não haverá dinheiro para ninguém». Na abertura dos trabalhos, Rui Ventura, autarca anfitrião da Assembleia de Parceiros, congratulou os novos membros que vão integrar a «família da Raia Histórica, que muito tem feito pelo desenvolvimento destes cinco concelhos». O presidente da Câmara de Pinhel disse esperar que no quadro 20-20 «o bom trabalho possa continuar» e que aquele possa ser o «primeiro de muitos dias de investimento na região». Algumas das prioridades estratégicas para o período 2014/2020 no âmbito do FEADER são: regime simplificado de pequenos investimentos nas explorações agrícolas, pequenos investimentos na transformação e comercialização, diversificação de atividades na exploração, cadeias curtas e mercados locais, promoção de produtos de qualidades locais e renovação de aldeias. No que toca ao FEDER, as principais áreas de intervenção passam por concessão de apoio ao desenvolvimento dos viveiros de empresas e o apoio à atividade por conta própria às microempresas e à criação de empresas, bem como a conservação, proteção, proteção e desenvolvimento do património natural e cultural. Por último, no FSE, as principais áreas de intervenção são criação de emprego por conta própria, empreendedorismo, criação de empresas, incluindo micro, pequenas e médias empresas inovadoras, assim como inclusão ativa, incidindo com vista à promoção da igualdade de oportunidades e da participação ativa e a melhoria da empregabilidade.




Conteúdo Recomendado