Fogo de Vila de Rei e Mação dominado

O incêndio que deflagrou no sábado em Vila de Rei, distrito de Castelo Branco, e que se propagou ao concelho de Mação, já em Santarém, foi dominado esta terça-feira, anunciou a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC).

A informação foi avançada aos jornalistas pelo comandante do Agrupamento Distrital do Centro Sul, Luís Belo Costa, durante um ponto de situação, às 13h, no posto de comando instalado na Escola Secundária da Sertã.

“Nós seguimos o plano delineado [para a manhã desta terça-feira] com todo o rigor e com os meios e os recursos previstos. Eventualmente, não com a velocidade de trabalho que gostaríamos de ter alcançado. A esta hora, o desejável era termos toda a manobra concluída e ainda não está concluída. Ainda assim, temos condições, a esta hora, de dar este incêndio como dominado”, afirmou o responsável.

Segundo Belo Costa, continua a surgir uma ou outra reactivação que “imediatamente são resolvidas”, mantendo-se todo o “empenhamento e todo o esforço de trabalho de consolidação para extinguir totalmente todas as combustões lentas que existem e que geram estas pequenas reactivações”.

Para o comandante do Agrupamento Distrital do Centro Sul, a grande dificuldade no terreno foi a orografia característica deste território, não permitindo a velocidade de trabalho desejada.

Os trabalhos, neste momento, concentram-se a norte de Cardigos, concelho de Mação, onde a frente de incêndio parou, estando a ser empenhadas máquinas de rasto naquela zona para evitar complicações com reactivações naquela zona.

As condições meteorológicas da parte da tarde “vão dificultar o trabalho”, com um aumento da temperatura e da intensidade do vento e diminuição da humidade, mas as condições, vincou, “não serão tão agressivas” como foram na segunda-feira.

De acordo com Paula Neto, do Instituto Nacional de Emergência Médica, os dados actualizados apontam para 41 pessoas assistidas, das quais 17 são consideradas feridos, um deles em estado grave.

O ferido grave resultante do incêndio de Vila de Rei — que sofreu queimaduras de primeiro e segundo grau na noite de sábado — andou quatro horas “às voltas” até chegar ao hospital de São José, em Lisboa, para receber assistência médica, com o INEM a admitir que “houve alguns condicionamentos” que fizeram com que “o helitransporte acabasse por não ser tão célere”.

O ferido está a “evoluir favoravelmente”, indicou o INEM em comunicado divulgado pelas 12h desta terça-feira. Contactado pelo PÚBLICO, o hospital de São José confirma que o paciente se encontra em “situação clínica estável, sem intercorrências”, ou seja, sem registo de complicações inesperadas no seu estado de saúde.

O incêndio nos concelhos de Mação e Vila de Rei encontrava-se já, na manhã desta terça-feira, em “situação consideravelmente mais favorável”, havendo ainda 10% do perímetro de incêndio em combustão lenta, avançou o comandante operacional de Agrupamento Distrital do Centro Sul, Luís Belo Costa, durante um ponto de situação feito durante a manhã, na Sertã. No terreno estavam 1024 bombeiros (apoiados por 327 meios terrestres) para evitar que houvesse reacendimentos, com 90% do incêndio já em resolução durante a manhã desta terça-feira.

Vários incêndios deflagraram no distrito de Castelo Branco ao início da tarde de sábado. Dois com origem na Sertã e um em Vila de Rei assumiram maiores dimensões, tendo este último alastrado, ainda no sábado, ao concelho de Mação, distrito de Santarém.




Conteúdo Recomendado