Figueira de Castelo Rodrigo com orçamento de 16,1 milhões de euros para 2021

A Câmara de Figueira de Castelo Rodrigo aprovou o orçamento para 2021 de 16,1 milhões de euros, que regista um aumento de 30% relativamente ao atual e destaca a área social, saúde e bem-estar dos munícipes.

O documento, que foi aprovado por maioria pelo executivo presidido por Paulo Langrouva (PS) e pela Assembleia Municipal, é de valor superior ao de 2020 por exigir “uma maior responsabilização” devido ao atual contexto de pandemia para resposta a eventuais necessidades do comércio e dos empresários locais.

“Houve um aumento do orçamento de cerca de 30% face a 2020, que também se deve a algumas obras de maior vulto que o município quer concretizar em 2021. Mas o nosso foco continua a ser o bem-estar, a qualidade de vida e o envelhecimento ativo da população”, disse hoje o autarca à agência Lusa.

Segundo Paulo Langrouva, o orçamento destaca a área social, que continua a ser “um dos vetores fundamentais” da ação do executivo que lidera, com a continuidade “de um conjunto de medidas” como o Cartão de Saúde Municipal, o seguro de saúde de estomatologia, um programa de teleassistência e a iniciativa Cegonha Móbil (rede de transportes concelhia), entre outras ações.

No próximo ano a autarquia também vai investir 250 mil euros na criação de um Centro de Dia na vila e avançar com um programa de fisioterapia geriátrica.

“A componente da ação social continua a ser um foco primordial do nosso orçamento, que tem destinada uma verba de 1,3 milhões de euros, o que espelha bem a preocupação com as pessoas, a qualidade de vida e o bem-estar das pessoas”, justifica.

No setor económico, a autarquia liderada por Paulo Langrouva possui “uma forte aposta na vertente do empreendedorismo e empresarial”.

“Estamos a desenvolver obras na Zona Industrial, para criação de uma incubadora de empresas (com seis espaços para a vertente industrial), e está previsto lançarmos a empreitada de requalificação do Mercado Municipal (cerca de 700 mil euros) para promover e possibilitar o escoamento de produtos endógenos”, adiantou o autarca.

No setor dos impostos, o município de Figueira de Castelo Rodrigo mantém medidas “para aliviar ao máximo a carga fiscal de contribuintes e empresários”, assegura.

Em 2021 o executivo municipal liderado por Paulo Langrouva também prevê investir mais de dois milhões de euros na requalificação da Avenida Sá Carneiro, que atravessa a vila sede de concelho.

A obra “terá um impacto significativo em termos de mobilidade das pessoas. Será uma requalificação importantíssima de uma artéria que passará a ter uma nova dinâmica de fluidez de trânsito mas, essencialmente, vocacionada para a mobilidade das pessoas”, vaticina o responsável.

No turismo e cultura, o autarca destaca a verba de 200 mil euros para aquisição de conteúdos para que o Centro Interpretativo da Batalha de Castelo Rodrigo seja inaugurado.

No próximo ano, o município de Figueira de Castelo Rodrigo, situado no distrito da Guarda, junto da fronteira com Espanha, tenciona, ainda, avançar com o projeto “Animadores de Aldeia” que envolverá os residentes nas várias atividades a desenvolver (animação, cultura, desporto, etc.).

O executivo municipal de Figueira de Castelo Rodrigo é constituído por três eleitos do PS e dois do PSD.



Conteúdo Recomendado