Estrangeiros residentes na região Centro elogiam resposta de Portugal

Peter Wilton-Davies e Helen Gray, de 51 e 45 anos, estão há 10 anos fora da Inglaterra e realçam as vantagens de viverem na Serra da Lousã.

Cidadãos oriundos de outros países têm agora a vida mais complicada em Portugal devido à covid-19, mas alguns elogiam o modo como o país tem reagido à pandemia, havendo mesmo quem registe melhoria nas suas atividades.


Peter Wilton-Davies e Helen Gray, de 51 e 45 anos, estão há 10 anos fora da Inglaterra e realçam as vantagens de viverem na Serra da Lousã, no concelho da Castanheira de Pera, no distrito de Leiria.

“Estamos muito felizes por estar em quarentena em Portugal e não noutras partes do mundo. O povo português foi muito cuidadoso e atencioso e começou o isolamento antes de ser transformado em lei”, declara Peter à agência Lusa.

Para o casal, o isolamento “é mais difícil para as pessoas nas cidades”, enquanto “no campo a vida continua” sem grandes perturbações.

“Fico feliz por estar aqui e não no Reino Unido, onde as condições e restrições não são tão boas”, acrescenta.

Peter Wilton-Davies, que na terra Natal exercia a profissão de artista gráfico, tem optado por comprar frutas e vegetais numa quinta das proximidades.

Helen trabalha nas áreas do marketing e da angariação de fundos.

Por razões profissionais, ia frequentemente a Londres, viagens que está agora impedida de fazer.

“O meu trabalho aumentou muito nas últimas semanas devido à criação de conteúdos ‘online’ (…) e à criação de vídeos educativos e divertidos para crianças e adultos”, afirma à Lusa.

Enquanto trabalha à distância para uma instituição de caridade britânica, a sua vida “não mudou muito”.

“Levo os cães a passear (…) e há entregas diárias de pão e vegetais nas aldeias”, refere Helen Gray, indicando que faltam bens essenciais nas lojas.

O casal admite que as suas aptidões na língua de Camões e Saramago estejam “um pouco enferrujadas” nos últimos tempos.

“O Peter não tem visitado o centro social da aldeia de Pera, onde faz parte da equipa de voluntários” que gere a associação, explica Helen, que também “não pode ir à aula semanal de Português”.

Desejando que Portugal “possa retomar a vida normal”, Helen e Peter esperam “mudanças e lições” após a pandemia, com “respeito pelos outros e menos consumismo”.

O belga Aaron Vansant, de 32 anos, veio ainda criança para Oliveira do Hospital, onde trabalha numa empresa familiar que comercializa espargos e sementes diversas, incluindo de variedades agrícolas autóctones.

Em março, já em pleno estado de emergência, nasceu a bebé Laura, sua primeira filha.

A esta alegria dos Vansant junta-se a evolução favorável dos negócios, que Aaron promove com o pai e o irmão, Peter e Micha.

“A pandemia afeta a nossa atividade pela positiva”, adianta à Lusa.

As pessoas “procuram manter-se ocupadas na horta e no jardim”, além de recearem eventuais falhas no acesso a alimentos vegetais, explica.

“É um fenómeno que já tínhamos visto na crise de 2008. Depois, volta tudo ao mesmo, infelizmente”, prevê o produtor.

A empresa importa sementes e exporta alguns produtos para Angola e Bélgica.

O publicitário luso-brasileiro Leonardo Simões, com raízes remotas na Serra da Lousã, reside em Coimbra.

Nasceu no Brasil, há 33 anos, e veio com os pais, irmã e a tia para a Lousã, onde estes familiares se instalaram em 2019.

“Tive um ótimo acolhimento por parte da comunidade portuguesa. Não tenho nada a apontar, por cá fiz muitos amigos e parceiros de negócio”, congratula-se.

Já em termos profissionais, sofreu “um impacto negativo, porém controlado”, na sequência das restrições associadas à covid-19.

“Alguns clientes pediram-me para encerrar temporariamente a prestação de serviços de marketing digital por causa da crise”, acrescenta, ao ser questionado pela Lusa.

No entanto, através de teletrabalho, continua a prestar serviços para clientes no Brasil e em Portugal, “com a mesma qualidade ou até mesmo superior”.

Leonardo, que passa quase “todo o tempo em casa”, com namorada portuguesa, já sente “a falta das atividades ao ar livre”.

“O primeiro impacto que sofri foi o corte de um financiamento por parte dos bancos portugueses. Estava a negociar a compra de um apartamento, mas tive de adiar”, revela o também programador informático.

Na sua opinião, será necessário “aprender com o que está a acontecer, para haver mais preparação para o futuro”.

O alemão Detlef Schafft, de 65 anos, está há quase 40 em Portugal.

É ator, palhaço e músico, desenvolvendo o seu trabalho na Lousã, na Companhia Marimbondo, fundada há 30 anos.

Em 2019, Detlef e Eva Cabral criaram o Museu do Circo Momo, numa parceria com a Câmara.

“O museu está fechado, uma vez que é um espaço municipal. Continuam as aulas de ioga ‘online'”, só que a companhia tem “todos os espetáculos cancelados”, nalguns casos até agosto.

Esta situação “foi um banho de água fria” para a Marimbondo.

“Íamos continuar com muitas atividades no Momo e tivemos de cancelar concertos e espetáculos”, além da participação em festivais internacionais, na Alemanha e na Finlândia.

Detlef rejeita algumas restrições impostas pelo estado de emergência.

“Nem na rua podemos tocar para animar as pessoas”, critica.

O artista insurge-se ainda contra o modo “como está a ser tratada a cultura”.

“Em especial o circo, que mais uma vez não recebe apoio nenhum do Estado. Vai ser um ano destruído. O nosso trabalho depende completamente da interação com as pessoas e muitos projetos nem irão ser estreados”, conclui Detlef Schafft.




Conteúdo Recomendado