Empresa de Desenvolvimento Mineiro investe 2,5 milhões na Guarda (Atualizada)

Fonte: http://www.hp3d.com.br/wp-content/uploads/2013/03/Escrevendo.jpeg

A Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM) anunciou esta quinta-feira o investimento de 2,5 milhões de euros em obras de remediação ambiental nas áreas mineiras de Prado Velho, Forte Velho e na antiga fábrica de rádio de Barracão, na Guarda.

A EDM assinou hoje, na Câmara Municipal da Guarda, o auto de consignação da empreitada da obra que vai começar em breve e que terá um prazo de execução de 238 dias.

Segundo o presidente da EDM, Carlos Caxaria, o investimento insere-se no plano nacional de recuperação de áreas mineiras degradas, iniciado em 2001, que contempla a descontaminação e a requalificação dos sítios onde foi registada atividade mineira.

“Já fizemos recuperação em 80 projetos, onde os radioativos tiveram prioridade e agora, no início deste novo quadro comunitário de apoio, estamos já a pôr estes casos concretos aqui da Guarda à frente”, explicou aos jornalistas.

Segundo Edgar Carvalho, responsável pela área técnica e ambiental da EDM, a empreitada hoje adjudicada contempla intervenções nas áreas mineiras de Prado Velho (que abrange áreas dos concelhos de Guarda e de Pinhel), Forte Velho (Guarda) e na antiga fábrica de rádio de Barracão, também no concelho da Guarda.

Em Prado Velho, onde ocorreram explorações mineiras a céu aberto, serão depositados materiais das escombreiras envolventes, incluindo materiais provenientes do Forte Velho e do Barracão, explicou.

A intervenção contempla ainda a criação de um espelho de água para fins agrícolas e a recuperação paisagística de toda a área mineira.

Na antiga mina de Forte Velho serão demolidas infraestruturas, serão retiradas escombreiras e será selado o poço da mina, estando também prevista a recuperação paisagística.

Por fim, na antiga fábrica de rádio de Barracão, na freguesia de Panoias, onde funcionou uma unidade de produção de sais de rádio, entre 1912 e 1944, a operação contempla a demolição de infraestruturas, a remoção de materiais e a recuperação paisagística do local.

Edgar Carvalho referiu que os projetos serão desenvolvidos “com base nas melhores práticas internacionais e na experiência acumulada pela EDM”.

Quando as obras estiverem concluídas resultarão em “benefícios para as populações”, pela possibilidade de utilização das áreas para outros fins, disse.

O presidente da câmara da Guarda, Álvaro Amaro, considerou que a intervenção constitui “um grande projeto de requalificação daquilo que foi uma fonte de riqueza noutros tempos” e que “vai ser uma fonte de riqueza” para os “novos tempos”.

Durante uma visita à antiga fábrica, em Barracão, o autarca referiu que o espaço, quando estiver ambientalmente recuperado, constituirá um desafio “para que a própria sociedade possa beneficiar do bom ambiente” e da sua recuperação.

“Aquilo que era um terreno abandonado, a oferecer até algumas dificuldades perante a sociedade, vai passar a ser um terreno de que nós podemos todos beneficiar e isso é uma grande riqueza ambiental e paisagística importante para estas nossas terras da Guarda”, concluiu.



Conteúdo Recomendado