Deputado do PS questiona Governo sobre prejuízos na produção de vinho em Pinhel

O deputado socialista Santinho Pacheco disse hoje que questionou o Governo sobre os prejuízos na produção de vinho na zona de Pinhel, que este ano tem uma quebra de produção avaliada em 50%.

Numa pergunta dirigida ao Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, o deputado eleito pelo círculo eleitoral da Guarda questiona se vai o Governo “criar/ativar linhas de apoio ao setor vitivinícola de Pinhel, desenvolvendo todos os procedimentos no sentido de acionar o Fundo de Calamidades para a área de influência da sua Adega Cooperativa como apoio aos respetivos associados”.

Segundo Santinho Pacheco, “2018 foi um ano atípico na região de Pinhel e na área de influência da sua Adega Cooperativa, em todo o distrito da Guarda, com constantes anomalias climatéricas que tiveram consequências desastrosas ao nível da viticultura”.

A primavera foi fria e chuvosa, e o excesso de humidade contribuiu “para o desenvolvimento de vários focos de míldio, resistente aos tratamentos com os produtos fitossanitários mais recomendados”, refere.

Acrescenta que “quando a muito custo e com a dedicação dos agricultores se conseguiu minimizar esta ameaça”, o verão “trouxe consigo uma vaga de calor que varreu todo o país, tendo em Pinhel chegado a registar-se temperaturas de 45 graus”.

O deputado relata no documento que as situações adversas e anómalas “criaram uma conjuntura muito diferente do normal com elevados prejuízos, devendo a produção [de vinho] registar uma quebra a rondar os 50%”.

“Dos 16 milhões de quilos produzidos em 2016, as previsões para 2018 não ultrapassam os oito milhões de quilos, uma quebra com uma enorme gravidade para uma região em que o vinho é o principal rendimento da lavoura local”, vaticina o socialista.

Santinho Pacheco diz ainda que os associados da Adega Cooperativa de Pinhel não fugiram a responsabilidades e pagaram de seguros diversos cerca de 470 mil euros.

Para o deputado, “o interior, as regiões de muito baixa densidade, têm de ser olhadas de forma muito particular pelas suas características e fragilidades”.

“O país agrícola não é todo igual, o que implica tratamentos diferenciados. A quebra de rentabilidade traz consigo o abandono da terra e como consequência mais despovoamento e maior nível de envelhecimento da população”, alerta.

O concelho de Pinhel faz parte da área geográfica da Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior, que tem sede na cidade da Guarda.

 




Conteúdo Recomendado