Covid-19: Escolas de Mêda e Fornos de Algodres retomam aulas presenciais

A suspensão das aulas presenciais nas escolas dos concelhos de Fornos de Algodres e de Mêda, no distrito da Guarda, durante duas semanas, foi uma medida preventiva e de mitigação do vírus da covid-19.

Os Agrupamentos de Escolas de Mêda e Fornos de Algodres, no distrito da Guarda, vão retomar as aulas presenciais na segunda-feira e na terça-feira, respetivamente, após duas semanas de aulas à distância devido à covid-19.

Em comunicado divulgado hoje, nas redes sociais, o presidente do Agrupamento de Escolas de Mêda, Luís Filipe Lopes, salienta que, na segunda-feira, naquele Agrupamento, serão “retomadas as atividades letivas presenciais em todos os ciclos de ensino”.

O responsável refere que “os membros da comunidade educativa que se encontrem em isolamento decretado pelas autoridades de saúde devem permanecer em casa até ao final do período de tempo que lhes foi comunicado, informando a escola, o professor titular ou o diretor de turma desse facto”.

Já os membros da comunidade educativa que se encontrem doentes por infeção pelo coronavírus “devem seguir as instruções das autoridades de saúde e apresentar documento da alta médica no regresso à escola”, segundo Luís Filipe Lopes.

O diretor do Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres, Artur Oliveira, informa, em comunicado publicado na página oficial da internet, que, na terça-feira, “serão retomadas as atividades letivas em ensino presencial nos diferentes estabelecimentos de ensino do Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres, nos horários e modalidades de transporte habituais, com exceção dos alunos que se encontram em isolamento profilático”.

A suspensão das aulas presenciais nas escolas dos concelhos de Fornos de Algodres e de Mêda, no distrito da Guarda, durante duas semanas, foi uma medida preventiva e de mitigação do vírus da covid-19.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.994.833 mortos resultantes de mais de 93 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.543 pessoas dos 528.469 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



Conteúdo Recomendado