Cimeira Ibérica: Português e espanhol entre as três línguas mundiais “que mais crescem”

O líder do Governo de Espanha, Pedro Sánchez, disse que a proximidade linguística entre os dois países “é uma riqueza” que não deve ser desdenhada.

As línguas portuguesa e espanhola “estão entre as três línguas mundiais que mais crescem”, disse no sábado o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, na Guarda, na apresentação de um estudo realizado por Portugal e Espanha.

Augusto Santos Silva falava no Teatro Municipal da Guarda, na sessão de apresentação do estudo “A Projeção Internacional do Espanhol e do Português: O potencial da proximidade linguística”, inserida no programa da 31.ª Cimeira Luso-espanhola, dedicada à cooperação transfronteiriça e à articulação de uma estratégia conjunta para a recuperação económica.

O estudo foi realizado pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua (Portugal) e pelo Instituto Cervantes (Espanha) e coordenado por Luís Reto e Rebeca Rivela.

A apresentação incluiu-se nas iniciativas conjuntas das comemorações dos 500 anos da viagem de circum-navegação, iniciada por Fernão de Magalhães e concluída por Sebastian de Elcano.

“No seu conjunto, estas línguas [português e espanhol] são faladas por, seguramente, mais de oito centenas de milhões de pessoas no mundo”, apontou o ministro, referindo-se aos resultados do estudo.

Augusto Santos Silva acrescentou que “muitos dos seus falantes maternos” são habitantes da Europa, da América Latina, de África, da Ásia e da América do Norte.

“A geografia destas duas línguas é uma geografia global. E a dinâmica demográfica destas duas línguas é uma demografia em crescimento. O espanhol e o português estão entre as três línguas mundiais que mais crescem”, apontou.

Disse ainda que foi decidido apresentar o estudo, na Cimeira Luso-Ibérica, onde foi acordada uma estratégia conjunta transfronteiriça, por ambos os governos entenderem que a estratégia conjunta transfronteiriça marca a cooperação dos dois países na Europa, e o estudo “A Projeção Internacional do Espanhol e do Português: O potencial da proximidade linguística” marca a cooperação “em todo o mundo”.

A primeira vice-presidente do Governo de Espanha, Cármen Calvo, disse que o estudo revela como as duas línguas “podem competir” com a língua inglesa.

No encerramento da mesma sessão, onde também foi apresentada a Estratégia de Desenvolvimento Transfronteiriço, o líder do Governo de Espanha, Pedro Sánchez, disse que a proximidade linguística entre os dois países “é uma riqueza” que não deve ser desdenhada.

Sánchez disse esperar que a candidatura de Espanha para ser observador associado da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP)permita a promoção conjunta.

“É inegável, que tanto o espanhol como o português, podem desempenhar, no conjunto da comunidade internacional, o desenvolvimento social e a promoção da ciência e da informação”, afirmou Pedro Sánchez.

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, afirmou na sua intervenção que os dois países, que vão estar conectados por cabo, com a América Latina e com África, devem querer ser “um grande ‘hub’ da conectividade digital entre a Europa e o resto do mundo”.

“Há cinco séculos fizemos isso por via marítima. Hoje podemos e devemos fazer isso por via do digital”, afirmou.

António Costa acrescentou que para tal “é fundamental a valorização das Línguas”, porque ambas devem ser “línguas veiculares do conhecimento, da cultura, da ciência”.



Conteúdo Recomendado