CDS-PP da Guarda insta Álvaro Amaro a renunciar ao mandato autárquico

Álvaro Amaro lidera a Câmara Municipal da Guarda desde 2013 e vai integrar em quinto lugar a lista do PSD para as eleições europeias, tendo anunciado que irá suspender o mandato em meados de abril.

A Comissão Política Distrital da Guarda do CDS-PP defendeu hoje que o social-democrata Álvaro Amaro deve “renunciar de imediato” ao cargo de presidente da Câmara Municipal, por concorrer nas listas do PSD às eleições europeias de maio.

Para a estrutura distrital do CDS-PP, liderada por Henrique Monteiro, na política, como na vida, a ética “deve ser um farol que padronize o comportamento das pessoas”, por isso, havendo um candidato que é simultaneamente presidente de uma autarquia, afigura-se “inconciliável a manutenção das funções de edil autárquico com essa mesma condição de candidato a um órgão da União Europeia”.

“Neste caso, a ética deve prevalecer e ao senhor presidente da Câmara da Guarda não lhe basta suspender o mandato e fazê-lo apenas a partir do dia 15 de abril, porque o seu compromisso não era com uma determinada reunião de Assembleia Municipal, mas sim com todos os que vivem e trabalham neste concelho do Interior e por um mandato de quatro anos”, defende o partido em comunicado.

A Comissão Política Distrital da Guarda do CDS-PP entende que “não pode haver posições dúbias, nem mistura de papéis”, pelo que, “a bem da democracia”, insta o presidente do município “a renunciar de imediato às funções autárquicas que exerce no concelho da Guarda”.

O CDS-PP/Guarda defende em comunicado que o exercício das funções de presidente de Câmara “não é impeditivo desta mesma candidatura”, mas da decisão pessoal “resulta uma grave quebra do compromisso” que Álvaro Amaro “assumiu com os eleitores do concelho da Guarda, nas eleições autárquicas de 2017, às quais se candidatou com um programa eleitoral para cumprir durante quatro anos”.

Para a estrutura distrital do CDS-PP, a Guarda “foi apenas um degrau” no percurso político pessoal do autarca social-democrata e alega que o lançamento do Movimento Pelo Interior “foi apenas e somente uma ação de promoção do candidato ao Parlamento Europeu e que funcionou como uma espécie de campanha para esse mesmo efeito”.

O social-democrata Álvaro Amaro, que é o número cinco da lista do PSD, anunciou no dia 14 que já solicitou à presidente da Assembleia Municipal a marcação da reunião de abril, que ocorrerá entre os dias 15 e 17, e na qual formalizará a suspensão do mandato autárquico.

Álvaro Amaro afirmou, em conferência de imprensa, que é para si “ponto de honra” suspender o mandato “no fim de apresentar as contas do município” do ano de 2018, na reunião da Assembleia Municipal a realizar em abril.

“Farei coincidir, por isso, a minha suspensão do mandato até à posse de deputado europeu a partir dessa Assembleia Municipal. Se a reunião for a 16, a suspensão será a partir de 16 de abril”, adiantou.




Conteúdo Recomendado