Câmara da Guarda compromete-se a requalificar estrada do Barracão

A Câmara da Guarda vai requalificar a estrada municipal entre o Barracão e a cidade «até ao final do mandato», via Bairro de Nossa Senhora dos Remédios.

O compromisso foi assumido pelo presidente do município na reunião do executivo realizada na freguesia de Panóias. «Se isso não acontecer podem chamar-me mentiroso», acrescentou Álvaro Amaro, dirigindo-se à dezena de populares que, na tarde de segunda-feira, marcaram presença no salão do Centro Social da Póvoa de São Domingos, uma das muitas anexas das Panóias. Este era um dos assuntos que o presidente da Junta apresentou ao executivo, defendendo que é uma ligação «muito importante para o desenvolvimento da freguesia» e para «ficarmos mais perto da cidade». Jacinto Dias pediu também «empenho» do município para resolver a falta de saneamento e de água canalizada em localidades como Panóias de Baixo, Prados e Cerdeiral, mas aqui o presidente da Câmara não se comprometeu. «Não posso fazer em quatro anos o que não se fez em 40. Além disso, estamos num tempo de “vacas magras”», justificou, embora tenha prometido fazer um «estudo técnico-financeiro» para abastecer as três aldeias a partir do depósito de Vila Fernando. «Se os números não nos chocarem, tivermos capacidade para fazer essa obra e conseguirmos financiamento, fá-la-emos. Sem isso, nada feito», avisou Álvaro Amaro. Na primeira reunião de Câmara desconcentrada, o executivo ouviu os habitantes das Panóias pedir a reparação de caminhos, o alargamento do cemitério – que já está a ser elaborado pelos serviços camarários, a requalificação do rio Noéme e o regresso dos comboios à linha da Beira Baixa. «Se o comboio não voltar pomos ali uma bandeira espanhola», ameaçou, com ironia, António Júlio. Já na ordem do dia, o executivo aprovou a adjudicação da empreitada da rotunda do Bairro da Luz e deliberou, por unanimidade, subir o preço-base da requalificação do mercado municipal e central de camionagem de 235 mil euros para 370 mil por o primeiro concurso público ter ficado deserto. Pela oposição, José Igreja considerou que melhorar a estrada para o Barracão é «fundamental para o desenvolvimento urbano da Guarda», enquanto Joaquim Carreira questionou a contratação de serviços externos para a fiscalização das obras do município. «É mais um custo quando a Câmara tem excelentes técnicos para essas funções», afirmou. O vereador socialista também ficou surpreendido com os indicadores de absentismo revelados pelo presidente, que acusou de «lançar suspeitas» sobre os seus antecessores relativamente à contratação de pessoal quando afirmou na última Assembleia Municipal «não me façam falar». Ora, depois de ouvir Álvaro Amaro, Joaquim Carreira concluiu que o presidente «não tem nada em que se basear, é apenas uma expressão de retórica política». Polémica à parte, o executivo deliberou, por unanimidade, abrir concurso para a concessão, por cinco anos, da recolha de resíduos sólidos urbanos em todo o concelho, uma opção com a qual o município estima poupar «um milhão de euros».
“Quintal Medroso” devolvido à cidade
No final da reunião, Álvaro Amaro anunciou ainda que tenciona devolver à cidade o jardim do Solar Teles de Vasconcelos, mais conhecido por “Quintal Medroso”. O espaço tinha sido entregue em 2011 aos Serviços Sociais dos Trabalhadores da Câmara, em regime de cedência, por um período de 25 anos. «É um espaço demasiado bonito para ficar restrito e fechado aos guardenses, espero que haja mercado para o dinamizar», declarou o presidente.


Conteúdo Recomendado