Beiras e Serra da Estrela candidatou-se a 62,5 ME de fundos comunitários

As candidaturas foram apresentadas nas componentes de regeneração urbana, turismo de natureza e na área da inovação e competitividade.

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) anunciou hoje que nos últimos seis meses apresentou candidaturas a fundos comunitários no valor global de 62,5 milhões de euros.
O presidente da CIM-BSE, Paulo Fernandes, que também preside à Câmara Municipal do Fundão, adiantou hoje em conferência de imprensa realizada na sede daquele órgão, na cidade da Guarda, que as candidaturas naquele valor foram apresentadas a fontes de financiamento exteriores ao Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial que tem associado o montante global de 44 milhões de euros.
O dirigente adiantou que as candidaturas foram apresentadas nas componentes de regeneração urbana (48 milhões de euros), turismo de natureza (sete milhões de euros) e na área da inovação e competitividade (sete milhões de euros).
Segundo Paulo Fernandes, o valor das candidaturas “representa uma vez e meia mais do valor da componente do Pacto [para o Desenvolvimento e Coesão Territorial]” da CIM-BSE.
“A nossa dinâmica, a nossa estratégia, é diversificar ao máximo as fontes” de financiamento que não encontraram recursos no Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial, justificou.
O autarca lembrou ainda que no âmbito daquele documento, com o valor global de 44 milhões de euros, já “abriram” medidas “na casa dos 24 milhões de euros” e, desses, a direção da CIM-BSE colocou em execução “5,6 milhões de euros, o que equivale a 25% das medidas que abriram” nos avisos do Portugal 2020.
No encontro com os jornalistas, Paulo Fernandes reafirmou a necessidade de serem aplicadas “medidas corretivas” em relação aos fundos comunitários direcionados para os territórios de baixa densidade, referindo que “os 10% não são mesmo suficientes”.
“Está na altura de criar o cronograma para os próximos dois anos para que os nossos empresários se preparem atempadamente para os avisos específicos para a nossa região”, observou ainda.
O responsável defendeu também uma “diferenciação fiscal” em matéria de IRC (Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas), IRS (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares) e IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) para os territórios de baixa densidade, considerando que as regiões do interior “têm que ser vistas quase como antigamente, como zonas francas”.
A CIM-BSE é constituída por 12 municípios do distrito da Guarda (Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e Trancoso) e por três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão).




Conteúdo Recomendado