Wool: a arte toma conta das paredes da Covilhã

A sexta edição terminou no dia 10 e pela Covilhã passaram nomes conceituados da arte urbana.

As novas criações juntam-se aos mais de 30 murais executados no âmbito do festival Wool. A sexta edição terminou no dia 10 e pela Covilhã passaram nomes conceituados da arte urbana. O artista espanhol Sebas Velasco, com obras espalhadas por várias cidades europeias, teve carta branca para a execução de um projeto especial. No Largo da Infantaria XXI, criou um mural “arrojado e contemporâneo”.

Douglas Pereira, da dupla Bicicleta sem Freio, Kruella d’Enfer e Mário Belém, o único artista que já tinha participado no Wool em 2015, foram os responsáveis pela sexta edição, que “foi um sucesso” e fez com que as paredes da cidade neve se voltassem a pintar de cores.
Mário Belém tem 41 anos veio de Carcavelos e foi o autor da intervenção na Escadaria da Fonte das Três Bicas (perto do jardim público).

Para o artista o desafio foi grande mas compensador no final. “O tema base era a água, como já tinha a fonte pelo meio tive que dar asas à imaginação e então optei por me inspirar nos sonhos”, contou Mário Belém ao JF.




Conteúdo Recomendado