UBI continua a sua estratégia de sustentabilidade através da aposta na eficiência energética das suas instalações

O investimento total ascende a um milhão e 300 mil euros, abrangendo oito edifícios da instituição.

A Universidade da Beira Interior (UBI) tem em curso um projeto de melhoria da eficiência energética nas suas infraestruturas que irá resultar em ganhos ambientais e poupanças significativas nos custos anuais com energia. O investimento total ascende a um milhão e 300 mil euros, abrangendo oito edifícios da instituição.

Com grande parte das intervenções concluídas, estão a ser instalados nesta altura sistemas fotovoltaicos de autoconsumo na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Faculdade de Engenharia, Biblioteca Central, edifícios da 6.ª Fase e dos Serviços de Informática (ambos junto ao Polo I) e Reitoria (Convento de Santo António).  

O vice-Reitor Mário Raposo salienta a importância da aposta na sustentabilidade para o futuro da UBI. “Com a utilização dos sistemas fotovoltaicos, que representam um investimento de 125.000 euros (+ IVA), prevê-se uma poupança anual estimada de 27.000 euros. Deste modo é possível alcançar o retorno do custo de instalação em cinco ou seis anos”, explica.

Esta e as restantes intervenções resultaram de uma candidatura, aprovada em 2018, ao Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), que apoia a eficiência energética, a gestão inteligente de energia e a utilização das energias renováveis.

O projeto, que contempla um investimento anual superior a 430.000 euros, irá terminar no final de 2020, com a implementação de alterações nas tipologias “Envolvente opaca”, “Envolvente envidraçada”, “AQS e Climatização”, “Sistemas de Iluminação”, “Sistemas de Monitorização de Consumos”, “Sistemas de Produção de Energia” e “Auditorias/Estudos/Diagnósticos”. As mudanças nestas tipologias contemplam, entre outras, a remoção de amianto, a colocação de materiais térmicos, a substituição de caixilharias, de caldeiras e de lâmpadas convencionais por LEDs, a introdução de sistemas de monitorização de consumos e auditorias energéticas.

Segundo Mário Raposo, “desta forma, será possível à UBI atingir objetivos fundamentais na estratégia de sustentabilidade, como a subida de duas classes energéticas constante no Certificado Energético; redução efetiva da fatura energética das instalações; substituição de equipamentos de elevada eficiência energética; redução da dependência de combustíveis fósseis; e transição para uma economia com baixas emissões de carbono”.




Conteúdo Recomendado