Trancoso suspende eventos, fecha piscinas e cancela visitas turísticas

O Governo decidiu também declarar o estado de alerta em todo o país, colocando os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

A Câmara Municipal de Trancoso, no distrito da Guarda, decidiu suspender eventos, fechar piscinas municipais e cancelar visitas turísticas na sequência do surto de Covid-19, foi hoje anunciado.

A autarquia refere em comunicado divulgado na rede social Facebook, que, na reunião do executivo de quinta-feira, foi aprovado o Plano de Contingência do município, criado para dar resposta à ameaça da Covid-19, que entrou “imediatamente em vigor”.

Segundo a nota, “todos os eventos promovidos pela Câmara Municipal [de Trancoso] encontram-se, para já, suspensos” e as visitas guiadas realizadas pelos técnicos de turismo “estão canceladas, por tempo indeterminado, não sendo possível fazer quaisquer marcações”.

O município presidido por Amílcar Salvador adianta ainda que as Piscinas Municipais da sede de concelho e de Vila Franca das Naves “estarão encerradas, pelo menos, até ao final de março”.

“Estas e outras medidas irão ser constantemente reavaliadas nos próximos dias/semanas, em função do evoluir da situação, sempre em concordância com as diretrizes governamentais”, é sublinhado.

A autarquia de Trancoso agradece a compreensão e a colaboração de todos os munícipes e apela “ao cumprimento das recomendações da Direção-Geral da Saúde”.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro de 2019, na China, e já provocou mais de 4.900 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) atualizou na quinta-feira o número de infetados, que registou o maior aumento num dia (19), ao passar de 59 para 78, dos quais 69 estão internados.

As escolas de todos os graus de ensino vão suspender todas as atividades letivas presenciais a partir de segunda-feira, devido ao surto Covid-19, anunciou na quinta-feira o primeiro-ministro, António Costa, numa declaração ao país.

O Governo decidiu também declarar o estado de alerta em todo o país, colocando os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.




Conteúdo Recomendado