Quercus defende leis e sanções para combater tráfico e caça de animais

A organização ambientalista portuguesa Quercus defendeu hoje a criação de leis e “sanções eficazes” e incentivos económicos para combater o tráfico e a caça de animais, muitos dos quais em vias de extinção.

“A Quercus considera que é fundamental criar leis e sanções eficazes, a nível nacional e internacional, bem como incentivos económicos e meios de subsistência alternativos para que desta forma se consiga combater o tráfico”, refere, em comunicado, a agência ambientalista portuguesa.

No comunicado, emitido por ocasião do Dia Mundial da Vida Selvagem, que se assinala na sexta-feira, a Quercus recorda que em “40 anos o mundo perdeu mais de metade da vida selvagem devido à destruição dos espaços naturais, ao tráfico ilícito e à caça”.

“As pessoas são a causa desta grave ameaça à vida selvagem e devem ser ela a solução”, sublinha.

A ONU vai celebrar o Dia Mundial da Vida Selvagem sob o tema “Ouça as vozes jovens”, lembrando que quase um quarto da população mundial tem entre 10 e 24 anos.

“É necessário dedicar esforços no encorajamento dos jovens, como futuros líderes e decisores mundiais, a atuar a nível local e global na proteção dos animais selvagens ameaçados”, refere a organização ambientalista.

Segundo a ONU, o tráfico de animais e a caça valem 231 mil milhões de dólares (cerca de 219 mil milhões de euros) por ano.

“Os casos mais conhecidos desta atividade são os de elefantes, rinocerontes e tigres, valiosos pelo marfim, chifres e pele”, explica a Quercus.

Em 2016, foram identificadas 24.000 espécies ameaçadas de extinção em todo o mundo. Em Portugal, as espécies em vias de extinção são o lobo-ibérico, o lince-ibérico, a foca-monge, a águia-imperial e o saramugo.




Conteúdo Recomendado