Câmara da Guarda admite candidatar cobertor típico a património da UNESCO

O atual executivo municipal da Guarda, liderado por Álvaro Amaro, tem apostado na promoção do cobertor de papa típico do concelho.

A Câmara Municipal da Guarda está a estudar a possibilidade de candidatar o cobertor tradicional, conhecido como “cobertor de papa”, a património cultural da UNESCO, com vista à sua salvaguarda, anunciou o seu presidente.

Segundo o autarca, a proposta de elaborar a candidatura do “cobertor de papa” (uma peça de lã de fio grosso, produzida a partir de lã churra de ovelha), considerado “um dos produtos mais identitários do concelho” à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), partiu do vereador da Cultura.

“Eu recebi essa sugestão do senhor vereador Victor Amaral, com relativo entusiasmo, porque gosto de ter os pés bem assentes na terra”, disse aos jornalistas no final da reunião quinzenal do executivo municipal.

Álvaro Amaro fez o anúncio após o vereador do PS Pedro Fonseca ter recomendado a apresentação de uma candidatura do cobertor de “papa” a Património Cultural Imaterial “que necessita de salvaguarda urgente”, como aconteceu com a manufatura de chocalhos e com a olaria negra de Bisalhães (Vila Real).

O presidente do executivo referiu que o seu entusiasmo em relação à candidatura é “relativo”, porque para ser apresentada “é preciso certificação” e que o património “ainda viva e exista”.

“Há todo um trabalho a fazer para valorizarmos cada vez mais o cobertor de papa. Estamos a preparar [o processo de candidatura], mas é uma preparação que obedece a um vasto conjunto de ações”, disse.

Explicou ainda que o município da Guarda tem desenvolvido trabalho nesse sentido e que até ao primeiro trimestre de 2019 espera apresentar um projeto de uma escola de artes e ofícios que também poderá contribuir para o processo de salvaguarda do cobertor tradicional que ainda é produzido nas aldeias de Maçainhas e de Meios.

O atual executivo municipal da Guarda, liderado por Álvaro Amaro, tem apostado na promoção do cobertor de papa típico do concelho.

No dia 14 de novembro, uma comitiva da Guarda, liderada pelo autarca, ofereceu, no Vaticano (Roma) um cobertor de “papa”, ao papa Francisco, que foi produzido na Escola de Artes e Ofícios, em Maçainhas.

A autarquia já divulgou o cobertor tradicional em eventos de moda e o brasão da cidade, existente na sala António de Almeida Santos, nos Paços do Concelho, também é feito em tecido de “cobertor de papa”.

A mesma matéria serviu ainda para produzir a peça que assinalou a Passagem do Testemunho de Cidade-Sede do Dia de Portugal, entre Guarda e Lamego, nas comemorações de 2014 e 2015.




Conteúdo Recomendado