Santinho Pacheco sugere que banco feche balcão no parlamento e mantenha em Almeida

O deputado socialista Santinho Pacheco, eleito pelo círculo eleitoral da Guarda, sugeriu esta terça-feira que a Caixa Geral de Depósitos encerre o balcão na Assembleia da República e mantenha o de Almeida em funcionamento, porque “faz bem mais falta”.

Numa carta aberta dirigida ao presidente do Conselho de Administração do banco, Paulo Macedo, o deputado do PS aponta que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem no parlamento, em Lisboa, uma agência “sem concorrência de ninguém” porque “a Caixa é um banco do Estado”.

“Pois então senhor dr. Paulo Macedo: é preciso poupar e reduzir agências e balcões? Então o exemplo que venha de cima. Comece por encerrar o balcão da Assembleia da República, no Palácio de São Bento, para compensar manter aberto o balcão de Almeida, que faz bem mais falta aos seus clientes”, desafia.

Santinho Pacheco refere tratar-se de uma sugestão que faz “legitimamente”, como deputado eleito pelo distrito da Guarda e que “toda a gente deveria apoiar”

“Almeida merece respeito!”, escreve o socialista na missiva enviada a Paulo Macedo e a que a Agência Lusa teve acesso.

No documento é ainda referido que o presidente da Câmara Municipal de Almeida vai ser recebido em audiência, no próximo dia 16, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, enquanto a administração da CGD se recusou a receber o autarca.

“Ao ponto a que isto tudo chegou? Temos de repensar a situação e começar tudo de novo”, sustenta.

Santinho Pacheco considera ainda que “este é o tempo de a Caixa liderar o processo e mostrar que não é um banco como os outros”.

“Da CGD espera-se uma decisão justa e ponderada, exemplar quanto às circunstâncias e ao futuro. Para a CGD não podem ser os territórios de baixa densidade a pagar todo o tipo de crises. Com a Caixa vai ser diferente, tem de ser diferente”, escreve.

O deputado refere ainda na carta aberta que a CGD “é um banco público” e “não pode olhar para a sua rede de balcões com a mesma lógica de um banco privado”.

O fecho da agência de Almeida faz parte do plano da CGD para encerrar 61 agências por todo o país e consta da reestruturação do banco público acordada com a Comissão Europeia, na sequência da recapitalização de cerca de 5.000 milhões de euros.

Com o fecho do balcão de Almeida, já efetuado, os habitantes têm de se deslocar a Vilar Formoso, a 15 quilómetros da sede de concelho, o que tem motivado protestos.



Conteúdo Recomendado