Protocolo prevê criação de Centro Tecnológico da Indústria Automóvel na Guarda

A Câmara Municipal da Guarda, o Instituto Politécnico e quatro empresas do setor automóvel, assinaram ontem um protocolo que prevê a criação de um Centro Tecnológico para a Indústria Automóvel naquela cidade. Segundo o protocolo celebrado, as entidades parceiras assumem o compromisso de “criação de sinergias necessárias para a construção de uma parceria estratégica, nos […]

A Câmara Municipal da Guarda, o Instituto Politécnico e quatro empresas do setor automóvel, assinaram ontem um protocolo que prevê a criação de um Centro Tecnológico para a Indústria Automóvel naquela cidade.

Segundo o protocolo celebrado, as entidades parceiras assumem o compromisso de “criação de sinergias necessárias para a construção de uma parceria estratégica, nos domínios da experimentação, investigação, inovação, formação e transferência de conhecimento e tecnologia nas áreas da indústria automóvel do concelho”.

A autarquia da Guarda contribui com o apoio financeiro, logístico e institucional às atividades que os restantes parceiros acordem desenvolver, nomeadamente a criação de um Centro Tecnológico para a Indústria Automóvel, que tenha por principal objetivo apoiar as empresas do setor “na sua modernização e adaptação de novas tecnologias nos seus produtos e processos de fabrico”.

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) compromete-se a desenvolver programas de formação especificamente orientados para as necessidades das empresas do ‘cluster’ automóvel da região e a disponibilizar os seus recursos técnicos e humanos “para o desenvolvimento de projetos de investigação e transferência de conhecimento para as empresas”.

Por fim, de acordo com o documento, as empresas do setor automóvel disponibilizam-se a colaborar com o IPG “na construção e planeamento dos programas formativos que em conjunto considerem relevantes”, a acolher estagiários e a colaborar e propor o desenvolvimento de projetos de investigação e desenvolvimento de interesse mútuo.

O protocolo é justificado por o fabrico de componentes para o setor automóvel ser o mais representativo do concelho da Guarda, onde estão instaladas quatro empresas: Coficab Portugal – Companhia de Fios e Cabos Lda., ACI – Automotive Compounding Industry, Lda., DURA Automotive Portuguesa – Indústria de Componentes para Automóveis, Lda. e SODECIA Powertrain Guarda, S.A.

O presidente da autarquia da Guarda, Álvaro Amaro, disse aos jornalistas que o futuro Centro Tecnológico para a Indústria Automóvel servirá para “dar formação, para potenciar a hipótese de os mais jovens terem emprego, para se dedicarem à investigação”.

O autarca referiu que o município, o IPG e as quatro empresas também já contribuíram para a criação de um curso técnico superior profissional (TeSP) de Indústria Automóvel, que vai funcionar, no ano letivo de 2018-2019, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão local.

Para o presidente do IPG, Constantino Rei, o protocolo é “um ponto de partida” para a criação de um centro tecnológico que “possa colocar a Guarda no radar das instituições formativas com capacidade técnica” no setor automóvel.

Fernando Amaral, da empresa ACI, desejou que o acordo seja o primeiro passo “de outros que se seguirão”.
Já João Cardoso, da Coficab Portugal, admitiu tratar-se do “primeiro passo de algo que pode ser estruturante” para fixar os jovens.

O representante da DURA, Fernando Grilo, espera que a parceria permita resolver o problema da falta de “capital humano”.

Por fim, Gabriel Alves, da empresa SODECIA, destacou a importância da criação do TeSP de Indústria Automóvel, pois “serve o interesse das empresas” que necessitam de “pessoas qualificadas”.




Conteúdo Recomendado