Plano Estratégico para Requalificação de Vilar Formoso recebeu sugestões pertinentes

O período de consulta pública do Plano Estratégico de Vilar Formoso, elaborado para mitigar os efeitos da ligação a Espanha por autoestrada, terminou na sexta-feira.

A Câmara Municipal de Almeida recebeu “poucas sugestões” para o Plano Estratégico para a Requalificação Urbana, Cultural e Turística de Vilar Formoso, mas algumas são “pertinentes”, disse hoje o seu presidente.

O período de consulta pública do Plano Estratégico de Vilar Formoso, elaborado para mitigar os efeitos da ligação a Espanha por autoestrada, terminou na sexta-feira.

“Não foi uma participação muito elevada. Recebemos poucas sugestões, mas algumas delas são pertinentes”, disse hoje o presidente da Câmara de Almeida à agência Lusa.

Segundo António José Machado, alguns dos contributos “são mais preocupações do que propriamente sugestões”, mas o município e os seus técnicos vão reunir com os participantes na consulta “para esclarecimentos finais dos projetos”.

O autarca adiantou que as sugestões foram apresentadas essencialmente por eventuais investidores e que uma das propostas está relacionada com “a questão da nova ligação rodoviária à vila”, a partir da autoestrada que está em construção.

O plano, que também foi apresentado numa sessão pública, tem uma vertente relacionada com o interior da vila e outra que diz mais respeito à fronteira, sobretudo ao Parque TIR e à nova acessibilidade rodoviária.

De acordo com a memória descritiva da proposta, a intervenção sugerida é justificada pela construção da ligação rodoviária por autoestrada [A25] entre aquela vila do concelho de Almeida, no distrito da Guarda, e a fronteira com Espanha (A62, Fuentes de Oñoro).

O estudo sustenta que Vilar Formoso e o concelho de Almeida “têm de valorizar e divulgar o que têm, tirando partido do turismo e, ao mesmo tempo, reinventar-se com novas oportunidades, resultantes da sua situação de fronteira e da sua identidade”.

No âmbito do plano são propostos vários projetos, como a requalificação do Largo da Estação (onde se encontra o Museu/Centro de Interpretação Vilar Formoso Fronteira da Paz – Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes), a recuperação da Casa Maribel (para funcionar como Musicæ Center – Centro Cultural), a ordenação do recinto da feira mensal e a criação do Centro de Interpretação e Valorização do Património Arqueológico e Natural do Concelho de Almeida, do Núcleo Museológico Ferroviário de Vilar Formoso e do Centro de Interpretação da Fronteira.

Em relação à nova ligação à autoestrada e à requalificação do Parque TIR, duas obras que também envolvem a Infraestruturas de Portugal, o autarca adiantou que o município vai iniciar a contratação dos procedimentos para elaboração dos projetos e dos planos de pormenor.

Quanto às outras intervenções, vai avançar com os primeiros passos para que passem “de plano para projeto”, uma vez que o município “está a tentar captar investimento ou apoio” para a sua realização.

Segundo António José Machado, a intervenção global prevista para o interior da vila fronteiriça tem “custos estimados à volta de quatro milhões de euros”, sendo que igual montante deverá ser investido nos projetos da nova ligação rodoviária e na requalificação do Parque TIR.




Conteúdo Recomendado