Empresas nacionais exportam calçado fabricado na China

Fonte: http://static.zara.net/photos//2014/V/1/2/p/2067/302/100/2/w/1920/2067302100_2_4_1.jpg?timestamp=1395311895535

Empresas portuguesas exportaram para Espanha e Itália calçado que foi produzido na China. Em causa estão cerca de dez milhões de pares de sapatos, no valor de 18 milhões de euros.

A constatação desta realidade levou a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS) a ajustar os dados das exportações do setor em 2014. Retirando os 18 milhões desse negócio, as empresas portuguesas de calçado produziram e exportaram 77 milhões de pares de sapatos no valor global de 1845 milhões de euros, apurou o Jornal de Notícias/Dinheiro Vivo.

A associação do setor decidiu rever, em baixa, os números das exportações em 2014, porque identificou uma série de operações “estranhas” de exportações de calçado de material sintético e têxtil, oriundo da China, e que tiveram por destino final Espanha e Itália. Operações essas que apresentavam preços médios da ordem de 1,82 euros, mas que, em alguns casos, se ficavam mesmo pelos 77 cêntimos o par. “Por esses preços, não é possível produzir em Portugal. Esse valor não dá nem para pagar a palmilha”, sublinha João Maia, diretor-geral da APICCAPS.

Além do preço médio extraordinariamente baixo, o que fez despertar a curiosidade da associação para estas operações, foi o facto de serem oriundas de concelhos com pouca, ou mesmo nenhuma, tradição no setor, como Guarda e Mafra. “Os dados que o INE fornece indicam-nos as exportações por tipo de calçado e concelho de origem. E dão-nos também a lista dos principais exportadores por concelho. Cruzadas as informações, detetamos a existência de uma série de empresas muito recentes, com não mais do que dois ou três anos de atividade – algumas delas até já encerraram a atividade – e que usavam Portugal como mero porto de “transhipment” nas suas operações de importação da China e de reexportação para Espanha e Itália. E, embora não saibamos quem são os proprietários, sabemos que os gerentes são todos estrangeiros, designadamente chineses e espanhóis”, explica este responsável.

João Maia destaca que o calçado importado da China tem habitualmente um preço médio muito baixo, mas não tão baixo. “Estamos a falar de calçado sintético e calçado têxtil, ou seja em plástico e em tecido, cujo preço médio habitual, sendo oriundo da China, ronda os seis ou sete euros por par. Claramente, trata-se de calçado subfaturado e admitimos que as autoridades aduaneiras tenham identificado o problema porque nada indica que se esteja a repetir este ano.”

A associação justifica esta operação com a necessidade de evitar deturpações nos números reais da produção e exportação da indústria portuguesa: “A APICCAPS assume que pretende ser a referência internacional da indústria de calçado, pela sofisticação e pela criatividade. Essa estratégia passa pelo reforço das exportações portuguesas, alicerçadas numa base produtiva nacional, sustentável e competitiva”.



Conteúdo Recomendado