Covilhã e Fundão vão criar rota turística a partir do património mineiro

Com a denominação “Rota do Volfrâmio e do Estanho – História e Memória das Comunidades Mineiras”, o projeto implica um investimento de quase um milhão de euros.

A Covilhã e o Fundão vão criar uma nova rota turística a partir do património e história da exploração mineira naqueles concelhos, num projeto que integra a criação de percursos, requalificações e a visitação de galerias inativadas, foi hoje anunciado.

“Este projeto envolve todas as comunidades mineiras dos concelhos da Covilhã e Fundão e é um ponto de partida para criarmos uma nova rota turística atrativa para o couto mineiro, para os dois concelhos e para todo o interior”, apontou hoje José Armando Serra dos Reis, vereador da Câmara da Covilhã, em declarações aos jornalistas no fim da reunião privada do executivo.

Com a denominação “Rota do Volfrâmio e do Estanho – História e Memória das Comunidades Mineiras”, o projeto implica um investimento de quase um milhão de euros e vai avançar em duas fases, tendo já parte do financiamento aprovada através do Programa Valorizar.

José Serra dos Reis explicou ainda que o projeto integra a requalificação de algum do património, bem como a criação de um percurso de visitação e interpretação, que dará a conhecer a da história e vivências do couto mineiro, zona que abrange os dois concelhos.

Segundo o autarca, entre as medidas está a requalificação da Lavaria do Cabeço do Pião (Fundão) e a reabilitação do antigo refeitório dos mineiros, já do lado da Covilhã, espaços onde também funcionarão como centros interpretativos da história mineira.

A abertura de algumas galerias mineiras atualmente desativadas é outra das ações previstas.

Os contratos de financiamento entre o Turismo de Portugal e estas duas autarquias vão ser assinados no dia 6 de agosto, na Barroca Grande, localidade do concelho da Covilhã, onde ainda funcionam as Minas da Panasqueira.

A cerimónia deverá decorrer à porta da mina e está prevista a presença da secretária de Estado do Turismo.

O prazo de execução está delineado para um ano, com início em setembro.

O Programa Valorizar destina-se a apoiar o desenvolvimento de projetos turísticos que promovam a valorização turística dos territórios, principalmente dos de mais baixa densidade, e contribuam, em linha com a estratégia Turismo 2027, para alargar o turismo a todo o território nacional e ao longo de todo o ano.

Desde a sua criação, o Programa Valorizar já apoiou 738 projetos, com um investimento superior a 164 milhões de euros e um incentivo de 106 milhões de euros, segundo os dados divulgados pela tutela.



Conteúdo Recomendado