Covid-19: Onze estudantes da área da saúde dão apoio em lar de Foz Côa

Onze estudantes de medicina e de enfermagem começaram hoje a dar apoio aos 47 utentes infetados com o vírus da covid-19 que estão no lar da Misericórdia de Foz Côa, disse o provedor da instituição.

“Estes voluntários são o suporte do apoio dado aos idosos que estão dentro do lar. Trata-se de uma situação provisória, que não pode durar muito tempo, enquanto aguardamos que haja a possibilidade de transferência dos utentes infetados para ambiente hospitalar”, disse António Morgado.

O provedor voltou a insistir hoje que o tratamento que deve ser dado aos utentes com covid-19, todos “assintomáticos”, deve ser feito em ambiente hospitalar, “já que se trata de uma situação completamente diferente” por serem idosos.

“Uma situação é recuperar em locais onde haja capacidade de mobilidade e higiene, outra são doentes acamados que precisam de cuidados diferenciados e sem condições materiais para o efeito”, vincou o responsável.

Num apelo “desesperado”, o provedor disse que estão a lutar com falta de equipamentos de proteção, tais como máscaras e fatos.

“Neste momento temos máscaras só para hoje e não sabemos como vamos vai ser o dia de amanhã e, apesar dos esforços do município, não sabemos o que fazer. Ou seja, vivemos o dia hora a hora”, realçou António Morgado.

O município de Vila Nova de Foz Coa, no distrito da Guarda, encomendou testes de despistagem da covid-19 que serão usados em situações de doentes inclusivos e nos familiares dos funcionários do lar.

“Estes testes vão ser utilizados em familiares dos trabalhadores da misericórdia de forma a percebermos como foi a proliferação do coronavírus dentro da comunidade”, concretizou o provedor.

Estes testes deverão começar a ser feitos ao início da tarde, por elementos da Direção-Geral da Saúde.

Ao contrário do que tinha anunciado no domingo, 11 utentes que deram “negativo para covid-19” foram transferidos para o Centro de Gestão Agrária de Foz Côa, instalações que foram cedidas pelo município local, corrigiu hoje o provedor.

“Na equipa de cerca de 30 pessoas [que trabalham no lar], mais de metade também deu positivo para o vírus, sendo que um é profissional de enfermagem”, contabilizou o responsável.

O provedor disse, ainda, que o plano de contingência da instituição foi acionado no dia 12 de março, “muito antes de proliferação do surto da covid-19”.

Este lar regista a morte de um idoso de 99 anos e um outro está internado num hospital na cidade da Guarda.

O Lar de Idosos da Misericórdia de Vila Nova de Foz Côa, no distrito da Guarda, encontra-se em regime de isolamento.

O primeiro foco de infeção foi registado na quarta-feira.

Portugal regista hoje 140 mortes, mais 21 do que na véspera (+17,6%), e 6.408 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 446 em relação a domingo (+7,5%).

Dos infetados, 571 estão internados, 164 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.




Conteúdo Recomendado