CDS da Guarda acusa PS de “falsidade e hipocrisia” nas verbas para a Saúde

A Comissão Política Distrital do CDS-PP da Guarda acusou o PS local de “falsidade” e de “hipocrisia política” em relação às verbas do Orçamento do Estado (OE) para a Unidade Local de Saúde.

“O PS da Guarda faz lembrar ‘um parafuso redondo colocado numa porca quadrada. Quanto mais se aperta, mais folga tem’. Apertos, apertos, só mesmo na saúde dos utentes no distrito da Guarda”, refere o CDS-PP em comunicado hoje divulgado.

Segundo a estrutura partidária liderada por Henrique Monteiro, “mais uma vez, o PS veio recorrer à retórica política para enganar os guardenses, como se os não tivesse enganado vezes suficientes”.

“Perante as dificuldades reais vividas no Hospital Sousa Martins, esperava-se mais do PS do que falsidade e hipocrisia política”, afirma a distrital da Guarda do CDS-PP.

A nota refere que a Assembleia Municipal da Guarda, reunida no dia 18, aprovou, por unanimidade, um voto de protesto do CDS-PP contra a suborçamentação crónica da ULS da Guarda, que agrega os hospitais de Guarda e Seia e todos os centros de saúde do distrito.

O voto de protesto estava suportado “em valores retirados de documentos concretos e objetivos, que constam dos mapas anexos aos OE de 2018 e 2019 e da execução orçamental do ano corrente, até ao terceiro trimestre”.

Segundo o partido, os mesmos “traduzem a verdadeira situação do financiamento da saúde no distrito da Guarda e não se assumem como qualquer ficção que pretenda mascarar a realidade com manipulação”.

Acrescenta que naquele dia, o PS disse, “através do seu apoio ao ‘Voto de Protesto’ apresentado pelo CDS, que a ULS/Guarda sofre de ‘suborçamentação crónica’, que o Governo demonstra ‘insensibilidade perante as dificuldades vividas’ e que existe ‘discriminação das pessoas'” que vivem no concelho e distrito, “no que respeita ao acesso aos cuidados de saúde”.

No dia seguinte, refere o comunicado, o PS “veio afirmar o contrário”: “Afinal já não há suborçamentação nenhuma, nunca houve e parece que até há mais dinheiro”.

“Com tudo isto, constatamos que há um PS que convive bem com a verdade e que há um outro PS que quer falsear a realidade”, considera a estrutura distrital da Guarda do CDS-PP.

O partido esclarece que o OE para 2018 “previa uma verba de 94.621.476 euros para a ULS da Guarda” e que “a execução orçamental ao terceiro trimestre de 2018 era de 110.314.240 euros”.

“No Orçamento [OE] de 2019 o Governo prevê a atribuição de uma verba de 95.314.896 euros para a mesma ULS da Guarda (conhecendo já o desvio orçamental do ano em curso)”, sustenta.

A terminar a nota, o CDS-PP/Guarda afirma que “não era esta a mensagem nem a prenda que as pessoas da Guarda esperavam do PS”.




Conteúdo Recomendado