Associação de Gouveia planta 7.500 árvores na Serra da Estrela

Na sexta-feira, a iniciativa começa pelas 09h15, com a concentração dos participantes no Adro Viriato, em Folgosinho, e no dia seguinte, pelas 9 horas, no mesmo local.

A Folgonatur – Associação Folgosinhense de Defesa da Floresta da Natureza e das Tradições anunciou hoje que na sexta-feira e no sábado vai plantar 7.500 árvores em áreas ardidas da Serra da Estrela, em Folgosinho, Gouveia.

A ação de plantação é a sexta promovida pela associação na área da freguesia de Folgosinho, após os incêndios dos dias 15 e 16 de outubro de 2017.

Segundo a associação, a iniciativa de reflorestação denominada “Renascer Folgosinho – Plantar no Entrudo”, destina-se “à plantação de folhosas e é a primeira do género” que é realizada no concelho de Gouveia, no distrito da Guarda.

A fonte refere, em nota enviada à agência Lusa, que a atividade juntará “mais de 100 voluntários” de várias empresas da região e do Grupo Montepio, incluindo reformados e organizações de colaboradores, que responderam positivamente ao desafio da Folgonatur e da Associação de Compartes de Folgosinho.

Na sexta-feira, a iniciativa começa pelas 09h15, com a concentração dos participantes no Adro Viriato, em Folgosinho, e no dia seguinte, pelas 9 horas, no mesmo local.

No âmbito do programa da ação “Plantar no Entrudo”, será também realizada no domingo a prova “Renascer Folgosinho – Free Trail”, organizada pelos Galhardos Runners, que já conta com a inscrição de 300 praticantes oriundos de vários pontos do país.

António Tadeu Esteves, da direção da Folgonatur, adiantou à Lusa que na ação de reflorestação agendada para o fim de semana do Carnaval para a zona de Folgosinho serão plantados, essencialmente, carvalhos, castanheiros e bétulas.

O responsável lembra que a coletividade, que surgiu poucos dias após os incêndios de outubro de 2017, já promoveu várias ações de reflorestação e de sustentação dos solos nas áreas atingidas pelas chamas.

A associação promoveu a sementeira de seis hectares de carvalhos, com a participação de 60 voluntários, e procedeu a trabalhos de sustentação de solos numa linha de encosta com cerca de cinco quilómetros, com a ajuda de 55 voluntários, indicou.

A Folgonatur também liderou ações de plantação de cerca de 4.200 folhosas, com um envolvimento total de 140 pessoas voluntárias.
“Acreditamos que a projeção no tempo desta dinâmica pode continuar a constituir um incentivo para a captação de cada vez mais parcerias importantes para o nosso projeto, potenciando esta imensa e prolongada tarefa de regeneração florestal a que nos propusemos”, sustenta o dirigente António Tadeu Esteves.




Conteúdo Recomendado