Agências de viagens criam site para ajudar reconstrução do Centro como destino turístico

A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo criou e custeou um site sobre o turismo do Centro para ajudar à reconstrução daquele destino turístico afetado pelos incêndios, anunciou o seu presidente.

Em Macau, no discurso de abertura do 43.º Congresso Nacional da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que hoje começou, Pedro Costa Ferreira, lembrou que este ano, apesar do bom momento que se vive, “existiram acontecimentos tristes, e persistem preocupações relevantes relativamente ao futuro próximo”.

“Do lado dos acontecimentos não desejados, pela sua importância, não podemos deixar de salientar a tragédia dos incêndios, que afetou tão dramaticamente as gentes da região do centro, o nosso ‘destino preferido[`recomendado` pela associação] de 2017”, afirmou o presidente da APAVT.

Acrescentou que a APAVT quer, por isso, estar ao lado da equipa do Turismo do Centro na “reconstrução do destino”.

“Sobretudo porque, sendo verdade que, depois da tragédia, houve, e ainda bem, um espaço de solidariedade e ajuda, todos sabemos que espécie de solidão aí vem, quando as dificuldades permanecerem, mas a atenção mediática desaparecer”, afirmou.

Por esta e “todas” as razões, Pedro Costa Ferreira anunciou que a APAVT colocará, então, “à disposição do turismo do centro, o site “O Centro das atenções”, que será colocado online a todo o momento” e que, segundo o mesmo, cumpre uma promessa realizada num primeiro encontro com os agentes do setor da região após “a primeira tragédia”.

O responsável garantiu ainda que o `site` estará vivo “ao longo de, pelo menos, todo o próximo ano”, chamando a atenção para “todas as oportunidades que se mantêm inalteradas, na região”.

“A APAVT custeou integralmente este `site` e custeará integralmente a sua dinamização, na convicção profunda de que o que o centro mais precisa é que os seus parceiros repitam até à exaustão, que a melhor maneira de ajudar é irmos passar férias, e fazermos reuniões corporativas, naquela região do país”, reforçou.

As centenas de incêndios que deflagraram no dia 15 de outubro, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 45 mortos e cerca de 70 feridos, perto de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em junho deste ano, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

A reunião magna da APAVT, que integra profissionais de todas as áreas do setor do Turismo, conta este ano, em Macau, com “mais de 700 congressistas, sendo 650 portugueses”, disse fonte oficial da associação à Agência Lusa.




Conteúdo Recomendado