Viveiro Florestal da Serra da Malcata reabre e triplica capacidade de produção

O investimento efetuado na requalificação do Viveiro da Malcata, no concelho do Sabugal, é da ordem dos 400 mil euros.

O Viveiro Florestal da Malcata, no Sabugal, no distrito da Guarda, está em fase final de requalificação e vai assegurar a distribuição de plantas autóctones para reflorestação em todo o país, anunciou hoje o ministro do Ambiente.

“Eu estive cá há cerca de um ano e ele [o viveiro], estando a funcionar, tinha muito fracas condições. Neste momento, a obra está praticamente concluída, o que significa triplicar a nossa capacidade de produção de plantas autóctones, não só para plantar aqui [na área da Reserva da Serra da Malcata], como no país todo”, disse à agência Lusa o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes.

O governante falava na aldeia de Malcata, no concelho do Sabugal, à margem de uma visita a projetos de prevenção estrutural que estão em curso na Serra da Malcata.

O investimento efetuado na requalificação do Viveiro da Malcata, situado no Centro de Educação Ambiental da Senhora da Graça, no concelho do Sabugal, é da ordem dos 400 mil euros.

Viriato Garcês, diretor da Gestão e Valorização das Florestas do Centro, que fazia parte da comitiva que acompanhava o ministro do Ambiente, indicou que as obras de requalificação do Viveiro Florestal da Malcata estarão concluídas “até ao final do ano”.

As estufas estão instaladas e modernizadas e quando o equipamento reabrir a sua capacidade de resposta permitirá “fazer 500 mil plantas autóctones por ano”, cujas sementes serão recolhidas em povoamentos da Reserva Natural da Serra da Malcata e na área da Serra da Estrela, adiantou.

“Foi uma decisão política e houve a preocupação da parte do senhor ministro [do Ambiente] de que a Malcata tivesse um projeto não só nos viveiros e em toda a reserva, com a implementação também de uma equipa de cinco elementos que fazem trabalho de prevenção estrutural e fazem trabalho de vigilância na altura de épocas críticas”, evidenciou o responsável.

O presidente da Câmara Municipal do Sabugal, António Robalo, disse à Lusa que a reabertura do Viveiro da Malcata “é muito importante” para o concelho e para a região.

“A revitalização do viveiro é extremamente importante, porque, além de criar postos de trabalho e de criar dinâmicas no concelho, permite conservar e preservar o espaço da Reserva Natural da Serra da Malcata”, justificou o autarca.

A Reserva Natural da Serra da Malcata estende-se ao longo de 16.348 hectares dos concelhos do Sabugal e de Penamacor, respetivamente nos distritos da Guarda e Castelo Branco.




Conteúdo Recomendado