Politécnico da Guarda lança projetos em parceria com autarquias e empresas

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) lançou um programa de capacitação de estudantes para a criação de projetos inovadores em áreas que vão da sustentabilidade à cultura, em parceria com autarquias e empresas, foi hoje anunciado.

Segundo um comunicado do IPG, presidido por Joaquim Brigas, os projetos envolvem a Câmara Municipal da Guarda, o Aqua Village Health Resort & SPA, a Blossom Essence, a Green Flavours, a ASTA – Associação Sócioterapêutica de Almeida, a Escola Profissional de Trancoso, o Inovcluster – Associação de Cluster Agroindustrial do Centro e o CATAA – Centro de Apoio Tecnológico ao Agroalimentar.

“O IPG tem apostado em projetos que estimulem o espírito empreendedor dos estudantes, preparando-os não só para o trabalho em organizações, como também para lançarem os seus próprios projetos empresariais”, afirma Joaquim Brigas, presidente do IPG, numa nota enviada à agência Lusa.

Segundo o responsável, para além de incentivarem a criação de negócios, os projetos cumprem também a missão de “aproximar a comunidade académica do tecido empresarial, acompanhando de perto as suas necessidades”.

Os jovens empreendedores poderão concorrer ao programa “Link Me UP – 1.000 ideias”, que junta 13 institutos politécnicos, através de projetos inseridos nos programas Poliempreende e Demola.

O programa Poliempreende incentiva a criação de negócios próprios, prestando consultadoria em criatividade, ‘mentoring’ e ‘coaching’ para que os estudantes desenvolvam projetos com aplicação prática em contexto real.

No Demola são desenvolvidos projetos de cocriação em que os estudantes, em conjunto com docentes e empresas da região, irão criar soluções para aumentar a competitividade da indústria regional no mercado global, é referido.

Em ambas as iniciativas irá existir uma competição regional, acessível a todos estudantes do IPG interessados em apresentar os seus projetos, seguindo-se um concurso nacional, onde irão competir os projetos selecionados de cada um dos 13 politécnicos, adianta o comunicado.

“É uma oportunidade para os estudantes desenvolverem competências complementares à sua formação académica, como a criatividade, a vontade de inovar e a capacidade de comunicar e de trabalhar em equipa”, afirma Teresa Paiva, coordenadora do projeto.

A responsável refere na nota que os estudantes “irão também fortalecer a sua ligação com o tecido empresarial regional”.

Em 2019 o IPG conquistou o terceiro lugar na competição nacional do programa Poliempreende com um projeto para o cultivo de cherovia em hidroponia (uma técnica de cultivo de plantas sem solo que permite a produção à medida e fora de época).

O IPG tem quatro escolas superiores – de Educação, Comunicação e Desporto, Tecnologia e Gestão, Saúde e de Turismo e Hotelaria (Seia).



Conteúdo Recomendado