Companhia da Covilhã junta teatro, música e reciclagem para combater insucesso escolar

A Associação de Teatro e outras Artes (ASTA), com sede na Covilhã, distrito de Castelo Branco, vai lançar um projeto que junta teatro, música, artes plásticas e lixo para criar arte e combater o insucesso escolar.

Com o nome “recilARTE”, este projeto também pretende educar para a reciclagem, reutilização e reaproveitamento de resíduos e será desenvolvido com alunos de escolas da Covilhã (Agrupamento de Escolas do Teixoso) e ainda de Fornos de Algodres (Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres) e Gouveia (Instituto de Gouveia), estas no distrito da Guarda.

Criado no âmbito do Programa “Parcerias Para o Impacto”, estará centrado na resolução de dois problemas sociais, designadamente a ausência de motivação e valorização da escola por parte dos adolescentes e na falta de uma cidadania ativa para a consciência social, em particular nas questões ligadas ao meio ambiente.

“Como forma de encontrar soluções para estes problemas sociais, o projeto reciclARTE prevê o desenvolvimento de um espaço dedicado à criação artística e ao desenvolvimento do potencial criativo, onde os jovens são convidados a usar as artes (o teatro, a música e as artes plásticas) como meio para desenvolver o seu interesse pela escola e uma maior consciência social sobre os problemas que os rodeiam, nomeadamente o problema da degradação do meio ambiente”, especifica a ASTA, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

Segundo o referido, as ações previstas devem contribuir para estimular os jovens adolescentes, que mais sofrem as consequências destes problemas sociais, para serem os principais agentes de mudança, tornando-os elementos ativos num processo de alteração de atitudes e de consciência social.

“A equipa artística afeta ao projeto trabalhará diretamente com os alunos na dinamização de um programa de fruição cultural e expressão artística. Começando com a realização de pequenas experiências de iniciação às artes, representando um complemento à oferta curricular das escolas”, acrescenta.

Com duração de três anos, o projeto vai permitir criar três espetáculos de teatro, bem como a criação de três grupos de música que utilizam o lixo como instrumentos.

A realização de quadros de grandes dimensões através de resíduos e de três vídeos documentais, um por área artística, também integram os objetivos.

Promovido pela ASTA, o projeto tem como investidores sociais os municípios da Covilhã, distrito de Castelo Branco, e de Fornos de Algodres e Gouveia, no distrito da Guarda, e a empresa INCIPIT – produção de conteúdos, como investidor privado.

São ainda parceiros a Resiestrela – Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos, S.A., o Cine Eco – Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, a Câmara Municipal de Seia, o Agrupamento de Escolas do Teixoso, o Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres, o Instituto de Gouveia – Escola Profissional, projeto EcoCidadania do Grupo Aprender em Festa, e a Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco.



Conteúdo Recomendado